.

.
.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

TENTANDO GOSTAR DE MASS EFFECT 2












“Mass Effect 2 é um jogo eletrônico de RPG desenvolvido pela Bioware e publicado pela Eletronic Arts, sendo lançado para PC e Xbox 360 em 2010, e para Playstation 3 em janeiro de 2011. O jogo é uma sequência de Mass Effect, e o segundo da série”.
Essa é a definição de Mass Effect 2 que pode ser encontrada na Wikipédia. A minha definição de Mass Effect 2 é: “jogo de ação com elementos de RPG, o qual tive a chance de experimentar e não me senti muito interessado em jogar uma segunda vez.”
Depois dessa primeira impressão, em todos os lugares eu só ouvia elogios e rasgação de seda em cima do jogo, até que minha curiosidade imperou e finalmente comprei uma cópia.
Dentre os motivos que me levaram a tal ato, posso citar os belos gráficos (que na versão de Playstation 3, podem ser justificados pelo fato do Mass Effect 2 ter sido feito com base no motor gráfico da vindoura terceira parte da saga) e os já citados elementos de RPG.
Dificilmente, quando eu tenho um “mau pressentimento” a respeito de um jogo, acabo me deparando com o contrário. Por essa razão, listarei alguns motivos pelos quais Mass Effect 2 ainda não me cativou pra valer.


1-MASS EFFECT 2 TEM PERSONAGENS DE PLÁSTICO. Durante os diálogos, dá pra perceber que Shepard e outros personagens olham para o chão, ou não esboçam nenhuma expressão convincente diante das próprias falas e das alheias. Um jogo tão bonito não deveria pecar nesse aspecto, e nem mesmo o boa pinta Capitão Shepard não escapa do velho olhar zumbificado- autista dos jogos da Bioware;

Um cyber crédito pelos seus pensamentos


RECADO PARA A BIOWARE: zumbis são zumbis, e pessoas são pessoas. A menos que no jogo haja uma raça alienígena de zumbis, corrijam essa falha em seus games;


2-POR QUE NÃO É POSSÍVEL FALAR COM TODOS OS NPCS DOS CENÁRIOS? Ainda na área das interações humanas, gostaria de saber o porquê de nós podermos visitar um bar intergaláctico, mas não podermos conversar com qualquer pessoa que cruze o nosso caminho. Detalhes sobre as características dos planetas visitados seriam bem mais interessantes de se descobrir em um diálogo do que através de uma fria descrição em um painel da espaçonave.

Como vai você... Eu preciso saber da sua vida...


RECADO PARA A BIOWARE: se vai entrar na chuva, procure se molhar um pouco. RPGs devem ter centenas de NPCs espalhados por todos os cantos, mesmo que sirvam apenas para dizer “bem-vindo ao planeta X”;


3-CODEX SUCKS. Um elemento comum dos games dessa empresa é o Codex, uma espécie de ultra enciclopédia obsessiva que registra até os mínimos detalhes de enredo que ocorrem durante o jogo. Fontes pequenas e excesso de texto fazem o Codex, em qualquer dos jogos em que ele se faz presente, um verdadeiro pé no saco intergaláctico. A ideia é boa, mas na prática acaba não funcionando. O próximo tópico explica a razão, mas antes:

Quem é esse Pokémon?


RECADO PARA A BIOWARE: pode parecer um pouco contraditório, em um momento reclamar de não poder conversar com cada mendigo espacial que encontra pela frente e, no outro, se queixar do excesso de texto presente no Codex, mas ouvir a voz de um personagem com o qual VOCÊ decidiu conversar é uma experiência muito mais agradável do que passar a metade das horas com o jogo lendo textos;


4-MENSAGENS NA VELOCIDADE DA LUZ. Se o apressado come cru, os criadores do Mass Effect 2 devem ser canibais. Tente ler uma das mensagens após adquirir um item desconhecido, ou destravar uma das opções de diálogo do game. Não dá! As mensagens desse jogo pipocam na tela e somem 1 segundo depois. Pegar um item, para mim, acaba sendo uma tarefa extremamente tensa e estressante. Munição de qual arma? Fui bonzinho ou malvado no diálogo? Eu ganhei o quê mesmo?



RECADO PARA A BIOWARE: nem todos os jogadores dominam a arte da leitura dinâmica. Take it easy...


5-CURVA DE APRENDIZADO SE PREPARANDO PARA ENTRAR NO HIPERESPAÇO. Detesto a forma como os elementos desse jogo são apresentados. Você mal colocou as mãos na primeira arma do jogo, quando um turbilhão de informações e recursos são implantados diretamente no seu córtex cerebral, sem direito a pausa pro lanche. Posso até ser meio burro e lento, mas não consegui trocar de arma, utilizar as habilidades do comandante e seus ajudantes e gerenciar os elementos fornecidos logo nos primeiros trinta minutos de jogo. Outro exemplo: nunca joguei um game da série. Como diabos vou saber o que é Paragon, se o jogo não se dá ao trabalho de explicar?

Você sabe o que fazer nessa tela? Eu não...


RECADO PARA A BIOWARE: mais uma vez, take it easy. Só porque vocês são super nerds formados em ciências da computação com especialização em sistemas complexos de games, não quer dizer que todos os jogadores têm a mesma velocidade de aprendizado;


6-POR QUE O COMBATE DE MASS EFFECT 2 É TÃO SEM GRAÇA? Desculpe a maioria dos que gostaram do jogo, mas a batalha de Mass Effect 2 é muito sem sal. Os tiros das armas não têm impacto, parecendo bala de espoleta; o sistema de cobertura não funciona direito; coordenar os ajudantes não é fácil ou intuitivo; itens de munição poderiam ser melhor sinalizados no cenário; e toda a sua estratégia se resumirá ao clássico: esconder-se, atirar, esconder-se para recarregar, atirar novamente...

Esconder-se, atirar... depois o quê mesmo?


RECADO PARA A BIOWARE: caprichem mais nos combates no próximo game. Armas mais impactantes e com mais “personalidade” ajudam bastante. Atirar com uma pistola que parece uma metralhadora, que por sua vez parece uma pistola automática, não é nada interessante;


Depois desses tópicos, fica a inevitável pergunta: se eu já tinha experimentado o jogo antes de comprá-lo e não gostei, por que decidi dar a ele uma segunda chance?
Primeiramente, Mass Effect 2 tem belos gráficos. Claro, isso, por si só, não constitui razão plausível para comprar um jogo, mas é impossível não se sentir totalmente sugado pela ambientação Star Wars que esse jogo possui. Belas cenas em tempo real enganam nossos olhos a todo momento, nos fazendo pensar que estamos assistindo a belas animações do melhor que a computação gráfica pode oferecer. O próprio Shepard é um exemplo disso: o brucutu é um deleite para os olhos (mais para as meninas), com sua armadura muito detalhada e bem animada. Aliás, Shepard, mesmo tendo o eterno olhar de peixe morto já citado, consegue dar um show de expressão corporal que, literalmente, fala por si mesmo.
Outra coisa que eu adorei no game foram os diálogos e a dublagem em si. De fato, dialogar e desbravar todas as opções de conversação acaba sendo mais divertido que os próprios combates do jogo.
A exploração no game poderia ser um pouco menos linear, mas ela acaba se tornando bastante agradável devido à sua retícula, um cursor que indica a localização de itens longínquos, NPCs a fim de bater papo e portas que podem ser abertas.

Finalizando, Mass Effect 2 se encontra em um atual temporário estado de hibernação criogênica na estante do meu quarto, diante da avalanche de jogos enormes (Skyrim, Fallout New Vegas...) e mais interessantes que ainda não consegui terminar. Enquanto isso, numa galáxia muito distante, alguém pode estar conseguindo se divertir de verdade com tudo que o capitão Shepard e sua tripulação têm a oferecer.

Au Revoir!

15 comentários:

  1. Marcos A. S. Almeida23 de janeiro de 2012 22:35

    Shadow, antes de comprá-lo você não ouviu - ou leu - uma descrição fundamental para saber á que gênero pertence o jogo: é o mais próximo que um RPG chega de um Shooter.Ou um shooter com elementos de RPG.E por isso me atraiu.E por isso gostei.
    Acho que não é um defeito não poder falar com NPCs inúteis ou ter á disposição um CODEX detalhadíssimo.São características que você não gosta.Quanto ao combate , realmente não é muito diferente do que você falou, mas têm alguns ingredientes , como o poder de comandar a posição dos elementos do grupo e os poderes bióticos - mais parecidos com "magias" - que usados juntos tornam o combate um pouco mais que esconde-atira.Quanto á curva de aprendizado, senti o mesmo e fiquei um tanto perdido, mas como NUNCA havia jogado um RPG antes, imaginei que fosse uma falha minha.Agora, a característica mais chata você não citou: a busca por recursos.É muito chato ter que ficar vasculhando planetas atrás de recursos.E olha , que segundo relatos, houve uma evolução com relação ao primeiro Mass Effect , onde a busca era feita andando pelo planeta á bordo de um Jipe lunar...Inclusive, depois de saber disso meu interêsse em adquirir o primeiro reduziu-se á zero!
    É um ótimo jogo, com personagens variadíssimos, ótimas dublagens, jogabilidade muito boa e intuitiva e gráficos simplesmente deslumbrantes - e leves , diga-se de passagem.Não sei se falo besteira , mas como o jogo têm várias possibilidades de combate, talvez o joystick não seja a melhor forma de controlar, daí a sua decepção.Frisando que joguei com mouse+teclado, no PC, claro.

    ResponderExcluir
  2. Marcos, pela manhã eu tinha respondido o seu comentário, mas deu pau quando enviei. resumindo, não desisti do Me2 ainda. alguns dos defeitos que cito no texto (como o dos npcs) são mais para dar um teor cômico a minha experiência com o jogo. sobre a batalha não retiro uma vírgula: ela é bem sem graça mesmo, e acho que se um jogo de ação quer se passar por um PRG, ao menos que a ação presente nele seja de primeira. abraços.

    ResponderExcluir
  3. passei aqui para dizer que o post ficou muito bom,você analisou bem,alguns defeitos do Mass effect 2 ficou bem legal.

    ResponderExcluir
  4. Valeu, Los gamers. Que bom que você gostou. ouvir uma crítica (construtiva) ou elogio (sincero),às vezes, é o que nos dá ânimo para continuar mantendo um blog apenas por diversão, sem fins lucrativos.
    Mass Effect 2 é um bom jogo (se não fosse minimamente interessante, não teria comprado). só estou meio "ocupado" com outros jogos no momento para me dedicar a ele com mais imparcialidade, de coração aberto.

    ResponderExcluir
  5. Fala rapaz, vi seu Blog enquanto estava procurando como arrumar o mouse acceleration do Mass Effect 2, enfim consegui ^^.
    Gostei da sua forma de escrever no blog, o interesse de escrever por "nada" suas experiências, parabéns!
    Agora amigo, sobre a crítica ao game eu descordo rsrsrsrs, primeira vez que joguei no PS3, joguei 10 minutos e não me empolguei, guardei o game fui para outros, logo teve um dia (meses depois) que vi o game que havia comprado e nunca jogado, enfim coloquei para rodar, cara parei para prestar atenção na história e simplesmente fiquei perplexo com a rica história do jogo (isso foi logo que lançou o game), no começo realmente o jogo o combato é sem graça, claro dependendo da classe que jogar e mais para frente fica desafiador, tem que saber usar todas as habilidades ou os collector te derrubam facilmente!Enfim, o jogo é sensacional, você simplesmente faz parte da história, tanto que no início do game, para quem não jogou o 1, no início conta um resumo da história e você ja monta a personalidade. Hoje, quer dizer, semana passada o Mass Effect 2 mais vários addons estavam em promo e paguei R$20,00 no combo, como vai sair o 3 e ja comprei a Deluxe Edition ^^ eu voltei a jogar e a experiência é diferente pois me livrei do console e estou com um PC top, e claro gráficos infinitamente superiores.

    Volte a jogar quando tocar a vontade amigo, o jogo é muito bom e um blockbuster. Problemas todo jogo tem, como Skyrim por exemplo, sou viciado mas o que tem de erro absurdo e não é so jogo, problemas da péssima engine que ja ta na hora de aposentar.

    Abraço, favoritei e passarei por aqui para atazanar quando tiver tempo. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. seja bem-vindo, Clangedin. concordo com você sobre ME2. não esquenta. não desisti dele não. só estou um pouco sem tempo para me dedicar e com jogos (como o próprio Skyrim mesmo) mais interessantes. a qualidade da história e gráficos de Me2 são indiscutíveis (nem vejo como ele pode ser ainda mais bonito que o apresentado no Ps3).

      Excluir
  6. Bom, vim pelo seu comentário no Retina e aqui vão meus pítacos:

    1º tópico: Concordo plenamente. Animações faciais parecem não ser o forte da Bioware. O que é de se estranhar quando seus títulos tem tanto enfoque na história e nas emoções dos personagens. Boas animações faciais, que trasmitam da melhor forma possível o que está sendo dito (e no mesmo tom), seriam muito bem vindas. Agora, dando uma de advogado do diabo, isto muito provavelmente se deve à falta de tempo e verba. ME é gigantesco, mesmo que cada jogador só veja uma parte do jogo. Tem muitas falas, animações e situações que, a não ser que você jogue os títulos da série várias vezes fazendo escolhas difertentes em cada gameplay, que você jamais verá. Ou seja, tem muito tempo e verba gasta tentando fazer com que a experiência de ME seja diferente para cada jogador e, imagino eu, isto tenha afetado não só as animações faciais como alguns outros elementos do jogo.

    2º tópico: Sendo sincero, não entendo porque isto é um problema. Os ambientes de ME são muito vivos e, como na vida real, nem todo mundo está interessado em te dar atenção, muito menos ter uma longa conversa sobre a moralidade de socar repórteres pé-no-saco. Você já pode conversar ou pelo menos ouvir conversas de várias pessoas em quase todos os ambientes. Alguns podem influir na histórias e outros não. Ao meu ver, não faz sentido querer falar com todos os npcs presentes, assim como poderia num RPG clássico. E outra: se você não importou um save do primeiro ME, o número de npcs com quem você lida cai bastante. Este é um dos motivos que mantenho que ME não é bem uma série. É praticamente um jogo só dividido em 3 partes. O segundo jogo é muito dependente do primeiro e, se não jogou o primeiro antes, sua experiência diminui vertiginosamente.

    3º Tópico: Isso já é questão de gosto pessoal. Particularmente, acho o Codex de ME sensacional. Principalmente por ter partes faladas. O Codex explica como o universo de ME funciona e dispor de um tempo para ler tudo que está ali ajuda e muito a compreender a história, a motivação de certos personagens, corporações e espécies em geral. Sem contar que é sensacional como o Codex é feito a partir de informações que são "conhecimento comum" no jogo, ou seja, a forma como o "povo" que reside no universo de ME entende determinados tópicos, como o ataque à Citadel. E, de novo, se você jogou o primeiro, você sabe que muitas daquelas informações não batem com a realidade que você vivenciou e são ou fabricações de interesse político ou simples e pura desinformação, que começam com boatos e vão crescendo. Enfim, pelo menos no caso de ME, o Codex é indispensável ao meu ver.

    ResponderExcluir
  7. (Cont.)

    4º tópico: De novo,isto é apenas gosto pessoal. Não tive nenhum problema com as legendas e, algumas vezes, até as acho por demais lentas. Lembre-se que o jogo foi desenvolvido por pessoas que falam inglês nativamente para um público que também fala inglês nativamente. O fato de colocarem legendas serve apenas para atingir um público além dos que falam inglês nativo e, portanto, não são fluentes. Não sou fluente em inglês, o que quer dizer que não sou tão bom em pegar de ouvido, mas consigo ler perfeitamente. Então, para mim, a velocidade que as informações passam na tela é boa. Ao meu ver, o fato de você achar que as legendas passam muito rápido tem mais a ver com você e sua habilidade com o inglês que um defeito do jogo. Não me entenda mal: não estou tentando te ofender. Ninguém nasce sabendo falar inglês (ninguém nasce sabendo falar qualquer língua que seja, mas divago) e cada um tem suas dificuldades. Eu, por exemplo, tenho problemas com espanhol. É uma língua muito mais próxima da nossa e, apesar de conseguir entender uma coisa ou outra de ouvido, sou péssimo em entender a escrita a ponto de ter desistido do espanhol por completo.

    5º e 6º tópicos: Estes problemas estão diretamente relacionados ao fato de você não ter jogado o primeiro. De novo, ME 2 é muito dependente do primeiro e a Bioware, mesmo que não assumidamente, parte do princípio que o primeiro foi jogado e você vai importar um save. Como falei naquele comentário do Retina, começar do segundo é como começar um livro da metade. Muito da história se perde ao começar pelo segundo e é por isso que você sente esta dificuldade no gameplay e no combate. As mecânicas de ME 2 são, na verdade, uma simplificação das mecânicas do primeiro. A diferença é que, no primeiro, há uma boa primeira "fase tutorial" e muitas explicações de como tudo funciona. Se você não jogou o primeiro, não é surpresa alguma que se sinta tão pouco à vontade no segundo. E isto também está diretamente relacionado com o combate. Você sente que o combate não é tão bom porque não aprendeu a usar suas opção de forma eficiente, o que é muito mais difícil de se aprender no segundo.

    Como você já jogou o segundo, uma boa parte da história e do jogo já se perdeu. Mesmo assim, recomendo fortemente que compre (ou pegue piratão mesmo interwebs afora e compre depois, se gostar) o primeiro e o segundo no PC para que possa importar seu save e ver como o jogo se torna quase que completamente diferente. Tudo, inclusive o combate, se tornará muito mais flúido e compreensível.

    Sacanagem esse limite de caracteres, hein. =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muito interessantes as suas considerações. com relação ao quarto tópico, das legendas, o problema não é pessoal não, Bruno. sem querer me gabar, meu inglês é fluente e eu leio frases completas no exato momento em que elas aparecem. as frases do me 2, aquelas do tipo "destravou x pontos de paragon", são muito rápidas sim. somem da tela sem dar chance do jogador (novato) conseguir lê-las. a questão é que você acaba decorando o layout das informações e meio que já sabe o que abriu sem precisar ler, com o passar do tempo com o jogo. deve ser por isso que vc não acha que elas são rápidas: costume.
      no fim-de-semana eu publico o meu artico de redenção ao mass effect 2.

      Excluir
    2. É verdade. Não havia considerado esta hipótese. Bem possível que seja isto mesmo.

      Excluir
  8. E ai Shadow, matando alguns alienígenas? Ou está deixando para depois?

    ResponderExcluir
  9. Rodrigo, eu tava jogando ME 2 quase que exclusivamente, mesmo com a avalanche de jogos novos que eu adquiri. mas agora, meu tempo foi ainda mais reduzido (tô precisando frequentar a academia por motivos puramente de saúde). eu chego tão cansado em casa que mal sobra tempo pra jogar meia horinha de qualquer coisa. postagens mesmo, só no fim-de-semana (isso quando eu não tenho que trabalhar no domingo) mesmo. o me 3 eu nem penso em comprar agora. já que não tenho como jogar, posso esperar o preço baixar um pouco.

    ResponderExcluir
  10. hehehehe, parece que perdemos mais tempo devido mesmos motivos, ociosidade total, também tive que praticar esporte. Tem muitos jogos novos e a industria de game está fervendo de poucos anos para cá, tanto jogo bom que não consigo jogar metade, fica tudo arquivado. Mas digo que antes de jogar o 3 termine o 2 e veja o desfecho da aventura. Dica sem SPOILER; procure tomar as decisões corretas para manter seus amigos do time vivos hein, são muito importantes pois dependendo das suas opções podem morrer a maior parte.

    ResponderExcluir
  11. no meu caso, não é ociosidade não, Rodrigo. é que meu trabalho é tão desgastante fisicamente que eu preciso fazer musculação e caprichar na alimentação pra não murchar que nem uma flor rsrsrs. valeu pelas dicas do me2. isso de ser bonzinho eu já faço. nesse tipo de jogo eu sempre ando na linha na primeira jogada pra, na segunda, chutar o pau da barraca rsrsrsrs.

    ResponderExcluir

SE FOR SPAM, DESISTA. NÃO PASSARÁ PELA MODERAÇÃO.
Pra comentar é preciso ser membro do blog. Culpe os spammers, não a mim...