.

.
.

sábado, 14 de abril de 2012

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: CASTLEVANIA LORDS OF SHADOW

















Depois de mais de quatro meses de espera, finalmente consegui pôr as mãos em uma cópia do tão aguardado (por mim) Castlevania: Lords of Shadow. Devido a um problema com uma loja na internet, só consegui começar a jogar o jogo ontem, depois de realizar a compra na terça-feira, através de uma loja de minha inteira confiança. Todas as informações de que disponho a respeito do jogo vêm de fontes esparsas, das quais não me recordo agora, e de um review da extinta revista Edge. Na ocasião, Lords of Shadow levou nota 8,0, foi comparado a God of War em vários aspectos e uma parte do jogo foi classificada como um grande prólogo para uma possível aventura de Castlevania que seguiria os paradigmas da série como a conhecemos, no restante do jogo. Vejamos, então, a impressão que o game causou em mim em suas primeiras dez horas.


Draw, pilgrim!














-GRÁFICOS: sempre começo falando primeiro a respeito dos gráficos pois, a menos que você seja o Matt Murdock, será a primeira coisa na qual você irá prestar atenção. Se fôssemos julgar LOS apenas pelo aspecto visual, ele seria o melhor Castlevania de toda a série. Sabe quando vai a sua casa aquele amigo seu que não entende muito de games, e você quer mostrar o melhor que o seu querido console pode fazer? LOS é um desses jogos que usamos como exemplo para deixar as pessoas de queixo caído.
Tudo no jogo é lindo, em tempo real (nada de CGs. Tudo rodando pelo motor gráfico do game) e muito bem detalhado. E o melhor: acompanhado por uma ótima direção de arte que transforma cada tela do jogo em um quadro em movimento. Lords of Shadow pode ser comparado a um dos jogos mais bonitos de PS3, God of War 3 e, acredite, isso não é tarefa para qualquer um. A Mercury Steam, desenvolvedora desconhecida do game (parece que ela é espanhola) não brincou em serviço. Efeitos de luz; pedra; água; couro; chuva; madeira; tudo no jogo é de altíssima qualidade e, arrisco em dizer que LOS chega a ser ainda mais bonito que GOW3, em alguns momentos.
Todo o jogo é acompanhado por belíssimas ilustrações de livro, que fazem as vezes de tutorial; bestiário; arquivos detalhando personagens e fatos da história, dos cenários e etc.. Não vejo muito sentido em discorrer por muito tempo nesse tópico, pois a beleza de um jogo não deve ser descrita com palavras. Apenas jogue, e comprove por si mesmo.

Nota: algo de muito positivo nesse jogo são os Loadings. Além de contar com gráficos de ponta, LOS quase não tem loading. Quando você morre, leva pouquíssimo tempo para retornar ao checkpoint. Isso é ótimo, pois significa que o seu videogame não será obrigado a carregar um cenário que já havia sido carregado. Sem contar o fato de que, no LOS, você vai morrer com bastante freqüência. Abordarei isso mais pra frente.

















-HISTÓRIA: nesse jogo, acompanhamos a saga de Gabriel Belmont, um guerreiro pertencente à Irmandade da Luz, composta por guerreiros que lutam contra as forças do mal. Gabriel teve a sua esposa morta por forças malignas e, agora, precisa dar um jeito de acabar com sua maléfica influência no mundo e trazer a sua amada de volta à vida. Esse já é um clichê da série que é quebrado, logo de cara. Gabriel não busca apenas vingança contra o Drácula. Seus motivos são um pouco mais práticos e construtivos.

Algo interessante no enredo de LOS é a presença de elementos como Rinaldo Gandolfi, o mesmo alquimista que apareceu no Castlevania Lament of Innocence. Outra menção ao jogo diz respeito à própria origem de Gabriel. Apesar de se chamar Belmont, o protagonista não possui o sangue do clã que luta contra o Drácula durante séculos. Gabriel foi abandonado na porta da Irmandade da Luz pela nobre família Cronqvist, quando ainda era criança. Se você jogou o Lament e prestou atenção ao enredo, deve se lembrar que Cronqvist é o sobrenome de Mathias, mais conhecido como Drácula. Não por coincidência, Gabriel tem acesso a magias de Luz e Sombras, através de amuletos ou relíquias mágicas. Quem sabe haja alguma relação que descobrirei com o desenrolar da trama. Mas, o simples fato da produtora do game ter levado em conta o Lament of Incocence como base de enredo já é um bom sinal, de eles estão tentando continuar a série do seu ponto mais alto. Até onde joguei (capítulo 3), a história de LOS acaba com alguns clichês, mas se atém a outros, então, não dá pra dar uma opinião muito conclusiva a esse respeito até que o jogo seja finalizado.















-ATMOSFERA: a atmosfera de LOS é boa. O jogo começa em um vilarejo que está sob ataque de uma matilha de lobisomens, em belo cenário chuvoso, durante a noite. Os belos gráficos ajudam a construir uma ambientação bastante crível, repleta de ruínas, florestas, mausoléus e etc.. É difícil não se lembrar de jogos como ICO, Shadow of the Colossus ou Tomb Raider. Mas tem uma coisa muito errada na atmosfera do jogo, que eu não sei bem se se encaixa nesse tópico. É o seguinte: Castlevania Lords of Shadow possui um ritmo de jogo MUITO ESTRANHO. Mas muito estranho mesmo. Durante as primeiras três horas de jogo, excetuando alguns encontros com uns poucos gatos pingados, você frequentemente vagará por cenários COMPLETAMENTE VAZIOS. Nada de caveiras ou morcegos voando do teto pra cima de você. Nada disso. Uns goblins aqui. Uns lobisomens ali. E nada mais. De fato, fiquei me perguntando se realmente estava jogando um jogo de ação, enquanto passava as primeiras horas no game. Esse jogo tem um dos ritmos mais estranhos que eu já vi em um jogo de videogame. Ele te apresenta vários elementos de jogabilidade como esquivas e combos para, depois, te deixar sozinho com seus pensamentos. Um exemplo do que estou dizendo: depois do encontro com Pan e de vagar por vários minutos sem a presença de vivalma, o jogo nos joga de encontro a um Titã de Gelo de trinta metros de altura totalmente deslocado no espaço e contexto do jogo. Vai entender.



Qual é? Qual foi? Por que que tu tá nessa?













-PERSONALIDADE: como eu disse no início do texto, a revista Edge afirmou que uma boa parte do LOS servia de introdução para o que seria um Castlevania nos paradigmas já conhecidos da série. Se a ideia era essa, ela foi executada com perfeição cirúrgica.
Permita-me tornar as coisas mais simples: Castlevania Lords of Shadow não se parece com nada que já foi visto na série. Nas primeiras horas de jogo, nem de longe parece que estamos jogando um exemplar da franquia. Caveiras; zumbis brotando do chão; crucifixos (com exceção da Battle Cross, de Gabriel); uso de familiares; dropagem de itens; corações escondidos em lápides ou candelabros. Nada disso está presente.

Ou seja: o jogo não apresenta nenhum elemento de fácil percepção que permita a jogadores mais antigos reconhecê-lo como um legítimo Castlevania. Achei o jogo ruim por causa disso? Não, não achei, até mesmo porque ainda não joguei nem metade dos capítulos que ele tem a oferecer. Mas tal atitude deixa a impressão de que não é possível fazer um jogo de Castlevania moderno nos padrões de desenvolvimento de hoje. As empresas são muito tacanhas e extremistas, sempre se deixando levar pelo critério do “oito ou oitenta”: ou fazem um jogo retrógrado e sem novidades, exageradamente arraigado a conceitos já manjados que ninguém agüenta mais (exemplos disso: Ratchet and Clank; Silent Hill); ou fazem um jogo totalmente diferente do esperado e que não tem nada a ver com a série em questão (Resident Evil 4; Final Fantasy 13). Aonde foi parar o bom senso do meio termo?

Não posso abordar esse tema sem tocar no assunto God of War. Na época de seu lançamento (2010), muitos veículos especializados acusaram Lords of Shadow de ser muito influenciado pela série citada acima. Bem, o que posso dizer sobre isso? É impossível negar as referências a GOW presentes neste jogo. Os QTEs; a fúria de Gabriel (que acho totalmente justificada, pois estamos falando de um GUERREIRO treinado para combater as forças do mal desde pequeno, e não de uma mulherzinha assustada); alguns temas da trilha sonora; o tom épico das batalhas (que nunca foi coisa muito comum em Castlevania). Sem sombra de dúvida, uma grande insegurança deve ter se abatido sobre os produtores desse jogo, pois ficou evidente que ter Hideo Kojima como consultor não foi o bastante para que o time de desenvolvedores apostasse em um game mais voltado para a tradição de Castlevania e de mais personalidade própria. Infelizmente, as comparações não param por aí.

Outro jogo ao qual LOS pode (e foi) ser muito comparado é Shadow of the Colossus. Logo no começo, no primeiro capítulo, enfrentamos um “Titã de Gelo”. Uma criatura de uns trinta metros de altura, que precisa ser escalada para que seus pontos fracos possam ser atingidos. Sensação de dejavu? Claro que sim. E pior é que a sutileza passou longe, nesse caso. Os pontos fracos do Colosso Titã são representados por runas que, não por coincidência, precisam ser destruídas a golpes de Battle Cross para causar algum dano. Igualzinho a um outro jogo, de 2005. O desastre não para por aí. Até onde joguei, enfrentei dois Titãs (com a promessa do próprio jogo de que seriam os dois últimos, graças aos céus) em uma das batalhas mais irritantes, frustrantes e regadas ao melhor estilo de dificuldade “tentativa e erro” que a falta de criatividade pode oferecer. As duas lutas contra Titãs são uma óbvia tentativa de impedir o avanço jogador. São um exemplo no qual Castlevania NÃO precisa se inspirar para gerar bons jogos. E parece que, além de plagiar Shadow of the Colossus sem dó nem piedade, eles também copiaram todos os defeitos de jogabilidade possíveis que envolvem o ato de escalar criaturas gigantes em um jogo (como desobediência nos comandos e câmera que mais ajuda que atrapalha). De fato, uma ideia infeliz. Um exercício de paciência, totalmente desnecessário nos dias de hoje e completamente deslocado do resto do jogo.


Mudinha... trilha sonora... sacou?



















-TRILHA SONORA: não chega a ser ruim. Nem de longe. Como eu disse anteriormente, boa parte do jogo você se encontrará sozinho com os seus pensamentos, no total silêncio. Quando tem música, LOS consegue empolgar e ser bem interessante. O problema da trilha, mais uma vez, está na personalidade. Não lembra muito a qualidade habitual da série (que nos era presenteada pelo ótimo trabalho de Michiru Yamane), se assemelhando mais (novamente) aos temas retumbantes e grandiosos da série God Of War.


Só faltou o barulhinho de chicote













-GAMEPLAY E ASPECTOS GERAIS: a jogabilidade do jogo é muito boa, apesar de sua câmera, que às vezes é meio brusca e atrapalha um bocado. Gabriel não usa um chicote, e sim uma “Cruz de Combate”, uma relíquia mágica criada por Rinaldo para auxiliar a Irmandade da Luz em sua cruzada contra o mal. Basicamente, é um crucifixo de aço com uma corrente (também de aço) presa a sua ponta. Golpear com a Battle Cross é bem prazeroso. Os combos de Gabriel são de fácil execução, e o personagem se utiliza de muitas poses de luta que lembram o tão característico estilo Belmont de lutar. Só acho que a animação de Gabriel poderia ser melhor. O personagem anda rápido demais, e a quantidade de polígonos em seu modelo 3D não parece ter sido suficiente para dar aquele ar “pesadão” que outros personagens mais bem animados (como Leon, Alucard ou o Kratos) costumam ter.

O jogo enfatiza bastante o uso de montarias, tanto nos combates quanto na resolução de enigmas e desbloqueio de passagens. Lembra, em God of War, quando você tinha que montar em cima daquele Troll gigantesco para derrubar uma parede (ou parede de inimigos)? Aqui isso é lugar comum, e Gabriel tem a sua disposição aranhas, lobisomens, Trolls e tantas outras criaturas mais. Espinhos de aço na corrente da Battle Cross permitem “domesticar” tais criaturas, como bem é explicado no decorrer do jogo. Falando em decorrer, boa parte das informações sobre cenários, inimigos e eventos são passados através de pergaminhos encontrados nos corpos de companheiros da irmandade de Gabriel. Alguns deles com interessantes observações acerca da fauna ou de enigmas dos cenários. Outros, nem tão inspirados assim (como um pergaminho em que o autor tenta explicitar as vantagens de se revisitar um determinado cenário no jogo). Outros, ainda, apontam para uma interessante interação entre elementos de jogo e elementos de narrativa, como no pergaminho que narra a mudança de personalidade apresentada por um membro da Irmandade que passou a se utilizar de cristais negros durante o combate.

O sistema de Lords of Shadows é bastante tímido, não tentando inovar em muita coisa. Além dos combos desbloqueáveis anteriormente citados, o personagem conta com amuletos que permitem autorregeneração (de luz) ou reforço de ataques (de trevas). Nos cenários, você deve coletar cinco pedaços de alguma coisa para aumentar o seu HP/MP, assim como as barras de Light e Dark Magic. Nada que já não tenha sido feito, infelizmente.
Apesar de algumas batalhas forçadas, a dificuldade do jogo é bem alta. Eu estou jogando no nível equivalente ao normal, e já perdi a conta de quantas vezes me deparei com a tela de game over do jogo. Isso, por si só, já conta como um ponto positivo para LOS, tendo em vista os “tutoriais eternos” que se tornaram regra nos jogos dessa geração.
Nesse jogo não há mapa, exceto o mapa-múndi. Isso é triste, pois indica uma teimosia em se afastar dos elementos clássicos da série (mapa-explorável a la Metroid; level up; corações; chefes clássicos de terror) que eu, simplesmente, não consigo entender. Mas não chega a atrapalhar a experiência de jogo. Até porque LOS não é muito linear nesse quesito, contando com habilidades destraváveis e múltiplos caminhos nos cenários.



-CONCLUSÃO

Não há uma conclusão final, ainda, pois estou em um processo de reconhecimento do Lords of Shadow. O jogo apresenta alguns elementos bem interessantes e outros que, talvez, venham a afastar os fãs mais apegados à série clássica.
Fico muito entristecido em ver o descaso com que a Konami vem tratando a sua principal série. Com exceção da milésima conversão de Symphony of the Night para Deus-sabe-o-quê (e tantas outras centenas de jogos 2D para DS e 3DS), a empresa não tem demonstrado nenhum esforço em criar bons jogos em 3D, que representem a franquia da maneira como ela merece. Pior: parece ter se conformado com a “máxima” de que “Castlevania não funciona em 3D”, passando a batata quente para desenvolvedores como Hideo Kojima, que nada têm a ver com a história.
De certa forma, a Konami acertou em jogar a peteca para a Mercury Steam, pois Lords of Shadow acabou por se mostrar um belo jogo que está na direção certa, levando o enredo de Castlevania a sério de uma forma que, talvez, nem a própria Konami tenha levado antes.
Castlevania Lords of Shadow demora um pouco para agradar mas, com o passar das horas de jogo, vamos percebendo que a qualidade e empolgação com o jogo são gradativas. Ele vai te conquistando aos poucos, sem muita pretensão, tentando acertar onde muitos outros já conseguiram, no passado. Se a fórmula adotada pela Mercury Steam deu certo, só depois de terminar o game é que poderei dizer. Estou bem curioso para ver, de uma forma bem encaixada, elementos como a Morte, Drácula e tantos outros que caracterizam a série. Será que esse extenso prólogo compensará toda a estranheza e falta de “personalidade Castlevania” que predominam em Lords of Shadow?


Au Revoir!

6 comentários:

  1. Não posso falar muito deste game, mas sinceramente, achei ele lindo, gráficos absurdos, tem alguns grafismos estranhos como o corpo estranho e ombros largos do Gabriel, já percebeu como a cabeça dele é desproporcional para seu tipo físico "tosco"? Fora que ele dá 3 dos moradores da vila inicial. O jogo em sí é muito bacana, não se recorda quando falei a ti que estava jogando mas parei, bom, parei com umas 4 horas de jogo, não por ser ruím, mas não me cativou.

    ResponderExcluir
  2. realemente, lindo ele é. e difícil pra caramba. pra vc ter uma noção: joguei e terminei ele em uma semana, sem nenhum tipo de ajuda. eu tava de cama e tomando uns remédios barra-pesada que causam todo tipo de efeito colateral (mas nada de grave com a saúde). até agora fico imaginando que a dificuldade desse jogo foi resultado desses efeitos colaterais rsrsrs. ele é um jogo muito bom e tem uma história sólida. o seu problema e NÃO SE PARECER COM NADA QUE SE QUER LEMBRE UM CASTLEVANIA. cadê a morte? o castelo do drácula? e o próprio drácula, que nem dá as caras no jogo? e o final dele, cara, se tu não viu, vai levar um susto, de tão estranho e sem noção. ainda vou fazer um post sobre a minha conclusão a respeito dele.

    ResponderExcluir
  3. Realmente ele é difícil, pois logo no começo , quando ainda nao estamos habituados com os controles ja vem worgs imensos e batalha a cavalo, aliás como cai do cavalo!!! Fico no aguardo do seu review com o final pois nao joguei ate o final e nao procurei nada sobre ele.

    ResponderExcluir
  4. quando fizer o review sobre a impressão final que LOS me causou, vou tentar falar sobre a história sem muito spoiler. mas se tiver, eu aviso. o enredo desse jogo é uma faca de dois gumes, definitivamente: tanto é uma de suas grandes qualidades como um de seus maiores defeitos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shadow Geisel os eventos que acontece nesse jogo não tem nada de ligação com a lore do castlevania pq ele acontece antes, o pessoal que fez esse jogo vai fazer o Castlevania lords of shadow 2 para mostra como esse jogo se encaixa no universo castlevania, e parece q o Lords of shadow 2 vai ser muito bom.
      tbm achei estranho a estoria do jogo quando joguei.

      Excluir
    2. pois é, Koala. só depois de ter jogado o jogo é que descobri (nos comentários de um post do blog gagá games) que ele se trata de um reboot da série. e isso acabou atrapalhando a minha experiência com o jogo, pois do começo ao fim fiquei esperando por elementos da série que nunca vinham. acho que mesmo sabendo que se tratava de um reboot eu ainda ficaria na expectativa, mas esse jogo é muito bom e estiloso. tem uma personalidade própria e uma forma muito adulta de contar a história. tá no rumo certo. só falta eles fazerem mais dever de casa a respeito de Castlevania.

      Excluir

SE FOR SPAM, DESISTA. NÃO PASSARÁ PELA MODERAÇÃO.
Pra comentar é preciso ser membro do blog. Culpe os spammers, não a mim...