.

.
.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

ENTROU NA CHUVA, É PRA CONGELAR

O pior inimigo do mundo fictício de Skyrm atacou novamente. E, engana-se quem pensa que estou me referindo a Alduin, o dragão-rei de fome voraz. O inimigo, nesse caso, é a própria Bethesda Softworks.
Ontem, ao ligar o PS3 para mais uma perambulação no continente gelado, me deparei com um update para o game. Até aí, nada de mais, tendo em vista que já foram uns três ou quatro desde o lançamento do jogo, em novembro de 2011. Depois de um (medianamente) rápido download, estava eu pronto para jogar. Ao pisar nas rasas águas de Windhelm, o choque: Skyrim travou. Como não travava desde o primeiro dia que comecei a jogá-lo. Algumas tentativas mais tarde e eu tive certeza da causa do problema: a “tão aguardada” (por quem?!) versão 1.5 do update, que vinha sendo preparada há um bom tempo pela equipe responsável pelo jogo. Uma rápida pesquisa de internet e minhas suspeitas foram confirmadas pelo relato de vários outros jogadores (teve até um desafortunado que se queixava de não ser “visitado” por dragões há semanas). E o pior: não se trata de um caso isolado, que possa a vir a acontecer vez ou outra. Se você instalou o famigerado update, TODA vez que entrar em qualquer parte com água, o jogo travará. Eu constatei isso da pior forma. Esse travamento obriga o jogador a reiniciar o console da forma mais estúpida e abrupta possível.
Dentre as promessas do patch, novos ângulos de câmera para finalizações; novos movimentos de finalização e um novo ângulo para projéteis e magias. Mas, será que vale a pena?
Segundo a própria Bethesda, deletar o conteúdo instalado do game e reinstalá-lo é certeza de resolver o problema.
Todo esse ocorrido, mais uma vez, depende do seu modo de enxergar as coisas.
A Bethesda é uma das empresas que mais vem se preocupando, aparentemente, em corrigir falhas de seus produtos por meio de pacthes de correção, prática essa que julguei eu ser imperativa entre as desenvolvedoras da atual geração, dados os recursos online que (quase) todos os consoles dispõem. É uma pena que, nesse caso, ela esteja dando um passo pra frente e dois para trás.
Como citei no início do post, vários patches foram lançados para Skyrim desde novembro. Eu mesmo já perdi a conta de quantas vezes baixei atualizações para esse jogo. Algumas não fizeram a mínima diferença. Já outras, de fato, conseguiram consertar problemas como baixa qualidade de texturas e visual geral do game, algo que eu nem esperava que fosse alcançado.
Talvez, a melhor forma de jogar Skyrim seja fazendo logout da sua conta na PSN e curtindo o jogo da forma como os idealizadores planejaram desde o começo: totalmente offline, apenas você e suas andanças no solitário continente gelado de Tamriel.
Enquanto escrevia esse texto, deletei o meu conteúdo salvo do jogo e reiniciei a instalação do game, assim como foi recomendado pela empresa. Eu espero obter êxito na cura do “complexo de Cascão” que se abateu sobre meu modesto Dragonborn Khajiit, e rezo para que nenhuma outra síndrome atrapalhe as minhas desventuras com o jogo daqui pra frente.

NOTA QUE PRECISA SER DITA: deixa de ser safada e aprenda a fazer as coisas direito pra variar, Bethesda Softworks.

NOTA QUE PRECISA SER DITA 2: a informação que você deve deletar é a do update, não a do game. Eu testei e isso realmente resolveu o problema. Assim espero.

Au Revoir!

3 comentários:

  1. Rapaz, ja tivemos conversas saudáveis sobre o nosso querido Skyrim, como já disse a alguns meses atrás, Bethesda fez umt rabalho porco encima de uma engine velha que atualizaram, e mesmo assim ganharam um GOTY, enfim, o grande problema é que se com esta engine "lixo" conseguiram fazer um excêlente jogo, porque não fizeram uma nova engine e fizeram o jogo que marcaria a era dos games da atual geração? Simples resposta; Cobiça, dinheiro rápido, avareza, etc.

    Da atualização, eu fiquei super feliz, novas finalizações, era triste ter só de corpo a corpo, agora todos tem aquele efeito vindo do Fallout, e detalhe, com o mesmo som de fundo hehehe, cara simplesmente O MESMO SOM. Porém eu não tive o problema de jogar com o Cascão, o meu ficou na fabulosa habilidade de criação e cognitiva do Franjinha, pois com apenas 4 adagas feitas eu simplesmente bati 100 em Blacksmith, virei o Ás da criação, pulei 17 níveis e estraguei o meu querido personagem. Tentei outras vezes mas sempre que ia criar meus ítens era surpreendido em receber 50 pontos de habilidade, e o pior, eu só vi depois de sair de Withrun e dar um quicksave resultando em perder mais de 30 horas. Bom, eu tinha voltado depois de 1 mês a jogar, desisti, enconstei novamente meu computador, peguei minha bike e fui rodar alguns Km's por ai indignado em ter perdido 30horas devido ao trabalho porco de atualização de uma empresa milhonária.

    ResponderExcluir
  2. Ia corrigir os erros de portugues mas desisti, pois escrevi igual um anão de 5 de inteligência.

    Adicionar uma nota: A alguns meses perdi imensamente a vontade de jogar, não vejo nenhum jogo que me de vontade, saiu o RES Operation Rancon City mas nem tive coragem de pegar, quem sabe o bom e velho Diablo 3 faça valer o dinheiro "mal gasto" que torrei no computador.

    ResponderExcluir
  3. o engraçado, Rodrigo, é que eu não tive nem um décimo dos problemas com Skyrim que tive com o Fallout 3, mesmo com motor gráfico chupado. tirando as próprias pataquadas da Bethesda, a minha experiência com Skyrim foi bem tranquila com relação aos bugs.
    essa coisa de sentir enjoo de jogar é natural. até mesmo porque, se houver um game que seja capaz de te fazer sentir vontade de jogar novamente, com certeza ele não é o medíocre Operation Raccon City. duvido que com Re6 e Bioshock Infinite o seu desinteresse perdure. duvido!

    ResponderExcluir

SE FOR SPAM, DESISTA. NÃO PASSARÁ PELA MODERAÇÃO.
Pra comentar é preciso ser membro do blog. Culpe os spammers, não a mim...