.

.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

DÉCIMA FANTASIA REVIVIDA


Final Fantasy 10 é o melhor Final Fantasy de todos os tempos, em minha opinião.
Joguei esse jogo, pela primeira vez, em julho de 2005, mesmo mês em que adquiri um Playstation 2.

Ouça a minha história. Essa pode ser a sua última chance...


O game, de 2001, apresentava belíssimos gráficos em tempo real (pela primeira vez na série) e dublagem (também pela primeira vez na série).
Mas o que eu mais gosto no jogo, é como TODA e ABSOLUTAMENTE TODA a sua história girava em torno das criaturas conhecidas como Aeons (vulgo Espers, Summons, Eidolons ou Guardian Forces), seres de imenso poder materializados através do espírito de seres humanos já falecidos (claro!).

Jecht, Jecht, Here He Comes...


Final Fantasy 10 foi o primeiro game da série que apresentava um motivo verdadeiro para que o grupo se mantivesse unido ao longo de toda a jornada.
Também adorava a forma como todos os elementos da trama eram bem dosados, como drama, humor, perigo, sensação de paz ou descontração.

Esse jogo também conta com um elenco inesquecível de protagonistas, como Tidus (um mala-sem-alça com look de surfista que você acaba aprendendo a gostar); Lulu (maga com muitos dotes que vão além da magia e humor negros, se é que deu pra entender...); Waka (ele parece um pouco superficial no início, mas acaba nos ensinando uma bela lição de tolerância com o próximo); Riku (a ladra hyper-ativa que deve ter inspirado uma avalanche de cosplayers pelo mundo todo); Kimari (um Blue Mage que acaba ficando meio deslocado na jogabilidade do game, mas que não deixa de ser profundo e interessante); Yuna (a personagem principal do jogo, mesmo que os criadores digam o contrário. Impossível não se apaixonar pela sua meiguice) e o personagem mais fodão e moral de todos os tempos já criados pela mente humana: SIR AURON. Isso mesmo, o cavaleiro errante do mundo de Spira. Desculpe-me pelo vocabulário, mas a minha fisiologia não me permite descrever Auron de outra forma.

Agora você sabe quem é O Cara de quem tanto se fala


Auron é o centro do grupo, e até mesmo Yuna (a suposta líder) pede conselhos e direção a ele.
Auron é o personagem mais legal de toda a série Final Fantasy. Aquele tipo de personagem que você sente orgulho de evoluir e jogar com. E se você discorda desse axioma supremo dos games, eu peço que vá trollar em outro blog, ok?

Mas há uma boa razão para eu ter usado todos os verbos do texto no tempo presente: é que Final Fantasy 10 vai ser lançado em HD para o PS Vita. Sei que essa notícia é um pouco velha, mas não me importo.
Vez ou outra, quando minha fé está meio em baixa e começo a duvidar de mim mesmo e das forças do bem no mundo contemporâneo, surge uma notícia como essas e faz o meu amor por games voltar a todo vapor.

Final Fantasy 10 é belo assim...



Pouco me importa também a data de lançamento. E pouco me importa a ocasião. O que eu sei é que minhas preces foram atendidas e eu tenho uma desculpa pra jogar Final Fantasy 10 pela sexta vez e que, certamente, encontrei um motivo sólido que justifique a compra de um PS Vita.

Design quase tão bom quanto o do original


Meu amor por esse game é imensurável, quase ultrapassando os limites saudáveis entre entretenimento e realidade.
Final Fantasy 10 foi o único jogo de videogame que conseguiu arrancar sinceras lágrimas desse marmanjo que vos escreve, e essa façanha só poderia ser alcançada por nada menos que um enredo primoroso.

Para resumir, obrigado aos céus por essa conversão (pois se fosse anunciado um remake com gráficos atuais eu teria um ataque cardíaco e de nada adiantaria o game ser lançado).


Eu sei que é egoísta, mas essa é a minha história.

Linda. Mais que demais...


Au revoir!