.

.
.

sábado, 16 de junho de 2012

CHAMA ACESA (SEM SPOILER)











Hoje o dia foi bem cheio, para um sujeito que gasta boa parte do seu tempo no esquema casa-trabalho, trabalho-casa.
Depois de largar do trabalho um pouco mais cedo do que de costume, tomar banho e almoçar, cheguei ao cinema do shopping. Após o ritual de me “nutrir” com um milkshake médio de banana (afinal, Alien tem a ver com contaminação biológica) e ir ao banheiro, estava pronto para iniciar minha jornada ao desconhecido: começava, as 14h50min de hoje, a minha experiência com Prometheus.

Para a minha pessoa, mexer com a franquia Alien é pisar em solo sagrado. Se você leu o Meu Review Supremo de Alien, O Oitavo Passageiro, talvez não tenha tido muito essa impressão devido ao teor cômico do post. Mas não se deixe enganar: todos os gracejos em torno do filme foram apenas para evitar cair em redundância e gastar páginas e mais páginas do Word apenas para afirmar o quanto eu gosto dessa série. Alien é tão bom, que não seria exagero dizer que depois daquele filme nunca foi feito outro que o superasse em seu próprio território.
Então, qual seria o tamanho da minha expectativa e desconfiança em cima do filme Prometheus? Tá aí uma grandeza impossível de medir.

A IDA AO CINEMA

Prometheus, dirigido por Ridley Scott e roteirizado por John Spaihts e Damon Lindelof, estreou ontem no Brasil, com um atraso de uma semana em relação aos EUA.
Eu havia decidido que assistiria ao filme em 3D. Como não queria sair do cinema depois da meia-noite (a única sessão 3D legendado era de 21h00min), tive que assistir legendado e no bom e velho 2D mesmo. 
E este tópico é apenas para ressaltar o meu descontentamento com o ultrapassado ritual de: apanhar um ônibus; aguentar mais de meia hora de engarrafamento (e olha que aqui, em Recife, o problema de tráfego nem se compara ao de cidades monstruosamente grandes como Rio de Janeiro e São Paulo); comprar ingresso; comprar lanche para antes do filme (não sei como tem gente que consegue comer e prestar atenção ao filme ao simultaneamente) e aguentar a má educação de pessoas que só estão passando tempo e nem fazem ideia do que estão assistindo. Aliás, esse último trecho poderia estar em um parágrafo à parte: como eu detesto o público médio que frequenta cinema.
Em geral, eles são formados por:

-60% de pessoas que não estão nem aí para o filme que foram assistir e muito provavelmente conseguirão atrapalhar a sua diversão de alguma forma (você sabe: celular ligado; barulho de mastigado no seu cangote; embalagens escandalosas);

-35% de pessoas que vão ao cinema para qualquer outra coisa, menos assistir ao filme (chupação bem na frente da sua poltrona; conversa ao celular; intérprete para analfabetos que não conseguem acompanhar uma legenda e o filme ao mesmo tempo);

-5% por você, que conhece toda a história pregressa do filme e está lá para prestar atenção ao enredo e nada mais.

É incrível como o público médio de cinema é estúpido. Enquanto assistem a um filme como Prometheus, seus cerebrozinhos de esquilo tentam, de todas as formas, identificar clichês estabelecidos no gênero e piadas de médio nível para pessoas de média inteligência. Sutileza e ironia são confundidas com humor Zé graça e piadas prontas. Para esse tipo de público, tudo deve se encaixar no humor americanoide e pastelão típicos de filmes da sessão da tarde.
Durante uma das cenas de maior tensão, uma mulher que estava sentada ao meu lado não conseguia parar de rir histericamente. Mas que diabos! O que tem de engraçado em um filme como Alien ou Prometheus? Como uma pessoa que nunca assistiu a nenhum filme da série vai conseguir ter uma ideia do que está se passando no enredo? Esquece. Continuando...

SER OU NÃO SER

Eu prometi que o texto seria sem spoiler. Não se preocupem, pois pretendo cumprir com a promessa. Só queria salientar o seguinte: Ridley Scott afirmou, bem antes do lançamento do filme, que Prometheus não seria sobre Alien. Eu confesso que fiquei chocado com tal afirmação. Mas não se deixe enganar: Prometheus respira Alien. Do começo ao fim. Apesar de não ter explorado o conceito “terror biológico” da forma que eu pensei que exploraria, o filme consegue ser bastante interessante e respeitoso com os elementos vistos no primeiro episódio.
Prometheus faz poucas referências à série. Algumas perguntas ele tem a pretensão de responder. Outras, quando simplesmente não as ignora, as deixa subentendidas, soltas no ar, para que a nossa imaginação dê conta dos quês e porquês que circundam os eventos do filme original.
Prometheus tem seus momentos de suspense e, em algumas sequências, consegue gerar tanto impacto e asco no espectador quanto o Alien, de 33 anos de idade.
O enredo é bem amarrado e tenta evitar clichês, mesmo que não consiga, em alguns momentos. Alguns elementos do filme, como é fácil perceber, estão ali para cumprir cotas que o gênero exige (somado ao nivelamento por baixo para que o público médio-retardado consiga entender). Felizmente, nada que estrague a função ao qual o filme se presta a executar.


CHAMA ACESA

Prometheus não chega a ser um incrível. Tampouco consegue alcançar o efeito causado por uma obra do naipe do primeiro Alien, mesmo porque essa nunca foi a sua pretensão. Mas ele cumpre com seu papel, conseguindo deixar um fã doente como eu grudado na poltrona do cinema em certos momentos.
O mais curioso a respeito desse filme é que ele tenta se desvencilhar do nome de seu “primo famoso”, sem nenhuma citação direta ou marketagens do tipo “do mesmo diretor de Alien”, mas acaba sendo um exemplar mais legítimo da franquia que seus “antecessores” Aliens e Alien 3 (que carregavam o peso de sequências diretas), que apenas replicavam a malfadada experiência da tenente Ripley com as criaturas.
Prometheus responde algumas questões que ficaram em aberto no primeiro filme, mas deixa tantas outras pendentes, sem falar na clássica deixa para a produção de uma continuação (elemento obrigatório nos dia$ de hoje).
Vale o ingresso? SIM, vale cada centavo.
O filme consegue prender o espectador de forma inteligente e também se utilizar dos elementos da série Alien de uma forma respeitosa (claro que algumas coisas deixam uma pulguinha atrás da orelha dos fãs mais antigos, mas não posso entrar em detalhes sem quebrar a promessa inicial do post).
Se Prometheus consegue a façanha de agradar a um fã ferrenho e rabugento como eu, então talvez ainda haja esperança para os filmes de ficção e para a forma como eles são contados. Espero que a chama de Prometheus continue viva.


Au Revoir!

4 comentários:

  1. Fala meu amigo!

    Cara, eu assisti o filme no Sábado, era umas 20H, infelizmente Duablado mas por escolha em 2D, 3D o único que pretou foi o Avatar, de resto é só encomodo com aqueles óculos.

    Um ponto que citou, a galera do filme, tinham crianças, isso mesmo, crianças para ver aquele filme de suspense psicológico, biológico e bizarro como todos os Aliens, por sorte estas crianças ficaram caladas, e por incrível que pareça o cinema estava vazio, muito vazio, para um sábado como afirmei acima foi até estranho, e detalhe, sem NANHUMA fila, comprei tudo com minha noiva, pai que assistiu o Alien no lançamento em 1979 ainda solteiro quando namorava minha mãe (nostalgia). Toda a família para ver PROMETHEUS.

    Shadow, falando do que interessa, eu cometi um "erro" ao ir ver o filme, a muitos anos não assistia um ALien, vi o filme e realmente perdi muita coisa, não lembrava de nada, logo saindo do cinema passei na locadora, sim, locadora, aqui no mundo da pirataria prevalece em guarulhos grande SP uma locadora digna de se alugar um filme, continuando, aluguei todos os Aliens por um pacote especial que o atendente fez pois já nos conhecemos a algumas locações. Enfim, ontem assisti o 8ºpassageiro e o Resgate (que pela primeira vez me atentei e vi que foi o grande James Camerom quem dirigiu, eu realmente não sabia!!).

    Terminando aqui o meu post sem SPOILER, digo que adorei o filme, suspense e "terror" ao melhor estilo do Ridley conforme o 8ºpassageiro, e hoje, com algumas horas disponíveis verei todos os outros!!

    SPOILER!!!
    Queria deixar um resgisto Shadow, como já viu o filme e por entender mais pode me ajudar! No 8º passageiro eles encontram a nave dos "arquitetos" em meio ao LV426, sinceramente eu imaginei (pois não lebrava) que era a nave que a cientista e o Daivid (melhor interpretação, aquele ator é fenomenal) sairam do planeta, porém não é, e fica a pergunta, para onde raios vão com a nave? Continuação? O filme todo gira em torno de conflito de crenças, ceticismo, ambissão e a famosa pergunta que muitos ainda fazem, de onde viemos? Fora as indústrias Wayland, que aparecem em todo lugar (até nos filmes do Predador) e o mais interessante que percebi vendo 8º passageiro foi o W no monitor da nave.

    Adorei o filme, quero ver seu review para me tirar tantas dúvidas.

    ResponderExcluir
  2. Rodrigo, que bom que você gostou do filme. ainda bem que vc comentou, pois só eu assisti aqui em casa, e estava me coçando pra conversar com alguém sobre ele. eu também gostei muito de Prometheus. e olha que sou um fã DOENTE de Alien. tenho todos os filmes (menos alien vs predador 2, que é bem ruinzinho), e já assisti o primeiro mais de 20 vezes (o dvd já deve estar gasto rsrrsrsrsrs).
    sobre a ida ao cinema, cara como a imagem da tela é ruim. em plena era do 3D e da alta definição, assistir a um filme com chuviscos e pontinhos aparecendo na imagem é decepcionante. na minha sala tinha umas linhas transparentes que ficavam aparecendo na tela. podre.

    sobre as suas questões: Prometheus é um filme de muita sutileza em seu roteiro. Ridley Scott foi um completo sacana quando disse que o filme não seria sobre Alien. ele não só é sobre Alien, como explica cada detalhe da natureza da criatura. eu assisti sábado, e ainda estou digerindo os eventos do filme, mas vou fazer um resumo do que eu (acho) que entendi do filme.
    os engenheiros, responsáveis pela criação da raça humana (baseados em si mesmos) resolveram acabar com sua própria cria. para isso, criaram aquela substância negra que é um tipo de célula tronco, com a função de alterar (para pior) a estrutura genética de qualquer criatura viva com a qual entra em contato. um arma de destruição que seria usada contra a raça humana. isso fica evidente na cena em que umas minhocas caem no piche negro e depois reaparecem como aquelas cobras escrotas. algumas coisas eu ainda não entendi, como o engenheiro que bebe a substância logo no começo do filme. a atuação do cara que interpreta DAvid é show mesmo. bem observado. só não entendi muito o papel de semi-vilão que David executa no enredo (não saquei qual foi a dele ao envenenar o doutor com o piche). também não saquei pq aquele cara ficou meio que possuído e atacou todo mundo fora da nave.
    bem, pelo que eu entendi, o doutor boa pinta que bebe a pinga batizada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é o pai do alien. explico: o alien sempre teve a característica de assimilar as propriedades de seu hospedeiro. isso fica claro no terceiro filme, o do alien cachorro. o piche que o doutor bebeu assimilou a sua qualidade de se reproduzir por meio de propagação de material genético (leia-se: aquela coisa do facehugger de enfiar um troço parecido com um pênis na boca do hospedeiro e inserir o ovo). pode notar que, quando o engenheiro se encontra com a criatura (que é o filho da doutora, ou seja, mãe de todos os aliens), a primeira coisa que ele faz é tentar "copular" com seu hospedeiro. a substância negra é uma arma biológica criada para ser 100% agressiva com seres humanos, pois a sua função é acabar com a espécie.
      David afirma que existem outras naves, mas não entendo porque elas não conseguiram chegar na terra. também não explicaram muito bem o que foi aquele holocausto que matou os space jokeys. no começo do primeiro Alien, Dallas observa que o engenheiro que ocupa o trono tem uma abertura em seu peito, de dentro pra fora. essa nave em que ele está é a nave que é atingida pela Prometheus no fim do filme, mas no Prometheus não ficou nenhum engenheiro sentado no trono. devia ser aquele que foi atrás da doutora. aquele alien que sai do engenheiro deve ser uma rainha. isso explica as centenas de ovos que existem no primeiro filme.

      pra resumir, no final a doutora decide que não quer voltar à terra. ela quer ir ao planeta natal dos engenheiros para descobrir o porquê deles terem se arrependido da criação da espécie humana e tentado aniquilar a raça. justo, para uma pessoa que dedicou a vida toda à resolução do enigma da origem do ser humano.
      Prometheus tem um roteiro muito sutil. apesar da afirmação de Ridley, Prometheus explica quase tudo que os fãs queriam saber sobre a espécie: sua função; origem; forma de agir. e consegue mais que isso: Prometheus consegue ao mesmo tempo ter uma história independente de Alien e ainda dar margem a uma continuação que tem potencial para ser tão boa quanto o filme original(alien).
      Ridley afirma que deseja fazer uma continuação. tem uma entrevista dele no Omelete. dá uma olhada: http://omelete.uol.com.br/videos/prometheus-omelete-entrevista-ridley-scott/

      Excluir
  3. Ufa, acabei agora de ver todos os Aliens, relembrando de cada ponto e posso terminar em concluir, o último é o pior, a história de clone é ridícula e acabaram com a personagem Ripley. De todos, claro, o melhor foi o primeiro, mas em geral, prefiro muito o Prometheus, talvez pela tecnologia.
    Dos Aliens versus predador, cara, sinceramente, aqui em casa meu pais assiste milhões de vezes, ontem mesmo ele estava assistindo Predadores ao terminar o Alien, hehehe, agente aqui ri como ele assiste tanto os filmes, pior quando faz um "corujão" e vê todos em sequência, ele adora o Predador, que para mim tem menos Lore interessante mas é muito mais legal!

    Cara, valeu por explicar o Prometheus, eu parei nas mesmas dúvidas que você teve, ficou muita coisa no ar com este filme, e ficou clara a continuação. Bom, um dos mais esperados do ano passou, espeor agora o Batamam e o HOBIT, este sim promete.

    ResponderExcluir

SE FOR SPAM, DESISTA. NÃO PASSARÁ PELA MODERAÇÃO.
Pra comentar é preciso ser membro do blog. Culpe os spammers, não a mim...