.

.

sábado, 1 de dezembro de 2012

O RETORNO DO MAIS QUERIDO (QUASE UM "MEU REVIEW SUPREMO DE MOST WANTED")



























Sempre fui um total desastre nos esportes. Sei que é um baita clichê nerd, mas se trata da mais pura verdade. Talvez, por esse fato, nunca gostei dos esportes também quando o assunto é videogame. Mas, com jogos de corrida, a história é outra.

Chora com essa alta definição!
O primeiro jogo de carro que joguei na vida foi um do Atari, cujo nome eu não sei. Isso porque eu tinha uns seis anos; assistia aos meus irmãos jogarem na casa de um primo meu e raramente conseguia colocar as mãos no esquisito joystick do console. Mas havia duas coisas muito marcantes a respeito daquele jogo: ele era barulhento pra caramba e tinha um mito de que seu cartucho danificava o console. Ah, saudosa década de 80, a idade das trevas dos games... Tudo era motivo de boatos e especulações que só contribuíam para a imagem negativa que os jogos eletrônicos carregavam. Mas isso é assunto para blogs de retrô games. Continuando...

Multiplayer obrigatório já no SNES. E esse merece tela cheia.

Já na era 16 bits, tive a chance de conhecer um dos melhores jogos de carro já feitos em toda a (curta) história dos jogos. Seu nome: Top Gear, produzido pela Kemco,  desenvolvido por uma tal de Gremlin Graphics e lançado em 1992, praticamente no ano de estreia do SNES.
Top Gear, conhecido no Japão por Top Racer, foi o jogo de corrida mais conhecido da época, sendo extremamente popular até hoje. Ele tinha uma jogabilidade bastante simples, até mesmo porque era completamente em 2D.
Dava pra selecionar três carros (desculpem fãs xiitas, mas o carro roxo/rosa é indigno de menção. Ops!): o Carro Branco (que todo mundo pegava. Tinha velocidade mediana e gastava pouca gasolina); o Carro Preto (um pouco mais rápido que o branco, ao custo de beber um pouco mais de gasosa) e o fatídico Carro Vermelho (uma porcaria total. Era o mais veloz, mas só servia nas corridas de poucas voltas, nas quais não fossem necessárias muitas paradas no pitstop. Só a CPU selecionava esse carro, e eu me divertia horrores vendo a máquina perder a corrida por causa de sua escolha equivocada).

Rolava uma baita música de casamento no pódio!
Falando em CPU, Top Gear tinha uma curiosa característica para um jogo de corrida: ele era, essencialmente, em tela dividida. Geralmente, nesse tipo de jogo, você enfrenta a CPU na mesma tela de jogo em que você joga. Mas no Top Gear, mesmo no modo para um jogador, a tela era dividida.
O modo “campanha" do Top Gear era outra característica marcante desse jogo: era longo pra caramba (a ponto de ficar a marca do botão de acelerar impressa no dedo), além do fato de poder ser desfrutado por dois players. Era possível passar mais de três horas para completar todas as corridas. Para os padrões de hoje parece pouco mas naquela época era uma eternidade.

A trilha sonora do game também chamava muita atenção: mesmo tendo jogado o game há vários anos ainda me recordo de várias músicas presentes no game, desde as principais até as de eventos menos importantes, como subida ao pódio ou tela de início.
Tem até uma banda brasileira chamada Megadriver que faz versões de Rock de grandes temas dos jogos de Megadrive/Gênesis (she seems to have an invisible touch...) como Sonic, Streets of Rage e Topgear. Quer dizer, esse último era original de SNES mas deu pra entender.
O fato é que Top Gear foi um dos jogos de corrida que mais joguei na vida.

Adivinha quem vai vencer?
NOTA: anos após ter me desfeito do meu SNES, descobri um glitch no Top Gear: se você batesse nos ferros que sustentavam a palavra Finish (da largada) na última volta, você terminava a corrida em 1º e 2º lugares ao mesmo tempo, ganhando os pontos das duas colocações simultaneamente. Aaaaaaaaaargh! Que raiva! Nunca me perdoei por não saber desse bug enquanto ainda podia jogar o game.

Passados os 16 bits, nada de interessante aconteceu no gênero. Nunca me impressionei com os jogos da série The Need for Speed, apesar de suas qualidades inegáveis. Gran Turismo nem se fala: extremamente burocrático e técnico demais para permitir qualquer coisa parecida com diversão.
Com o advento do Playstation 2, o gênero de corrida voltou aos holofotes, dadas as novas e atraentes possibilidades de customização e a enxurrada rapper que dominou a época. Foi assim que fui apresentado ao segundo jogo de corrida de que mais gostei até hoje: The Need for Speed Underground.

Carro poser tirando selfie é dose!


O Underground (apelido carinhoso) possuía elementos que me cativam em um jogo de carro: belos gráficos; sensação palpável de velocidade; corridas noturnas; desafios de Drift (uma das dez provas cabais da existência de Deus, junto com os portais de teleporte do Diablo, da batata frita e da invenção da máquina de lavar roupas) e o mais importante de tudo: jogabilidade fácil e prazerosa, junto com uma curva de dificuldade que incentiva o jogador a se aperfeiçoar na fina arte de realizar curvas a 375 Km/h.

Sério, nunca vi muita graça nessa parada de tunagem


Com o sucesso do primeiro Underground, uma sequência era algo mais que esperado. Pena que o The Need for Speed Underground 2 (você nem mesmo merece ser chamado pelo apelido carinhoso) não me agradou nem um pouco.
Ele não tinha os mesmos gráficos estilosos de seu irmão mais velho, e as corridas se passavam em uma espécie de cidade aberta que nunca me convenceu. Se joguei mais de duas horas desse jogo, acho que já foi muito. O Underground ainda figurava como o único jogo de corrida que conseguiu me fisgar tanto quanto o Top Gear (Mario Kart não conta. É hors concours. Se você não gosta desse jogo, o original de SNES, faça o favor de iniciar uma combustão espontânea de si mesmo e desaparecer da minha frente).

Um dos melhores jogos de carro, sem dúvida...



Depois da decepção com o segundo TNFSU, achei que nunca mais veria um jogo de corrida tão interessante e que fizesse tão bem a mistura de corridas em trilhos (é uma expressão pessoal que eu uso para designar aqueles jogos de corrida em que você só pode correr em uma pista fechada, nada de cidade aberta ou escolha de rotas alternativas) com drift e disputas noturnas. 
Até cheguei a experimentar o Midnight Club 3, jogo que mais se aproxima do Underground e que é idolatrado como o melhor jogo de corrida de todos os tempos pelos meus dois irmãos mais velhos.
Como esse blog é administrado por mim e não por eles, o Underground continua com sua coroa de melhor jogo de Playstation 2. Ou pelo menos continuava, até a chegada de um ilustre novato chamado The Need for Speed Most Wanted.

Se eu der ré, de fininho, talvez não me percebam...


A pirataria é um lixo. Por um lado. Acaba com ramos de entretenimento; prejudica autores; fomenta mercados “alternativos” que em nada contribuem com a roda do capitalismo (tá bem, admito que essa parte não é tão negativa assim); tira a oportunidade de empresas menores e menos afortunadas apresentarem seu trabalho e blá blá blá.
Se você acompanha o blog, está careca de saber a minha postura com relação a essa prática. Mas, que a pirataria tem um certo fator de democratização do entretenimento, nem o mais ferrenho inquisidor dessa prática pode negar. E foi justamente devido a esse fator que eu pude jogar O jogo de corrida de todos os tempos.

Experimentei o Most Wanted na casa de um amigo, que também tinha um PS2, em uma época em que comprar um jogo de videogame era tão simples (falando em dinheiro, mesmo) quanto comprar um quilo de carne no açougue. E logo de cara, pude reconhecer vários elementos que haviam me conquistado no Underground: fácil jogabilidade e sensação de velocidade nas alturas (bem típicas da série Need for Speed).
O mote do Most Wanted não me agradava muito: perseguições policiais em uma cidade aberta. Mas, com poucas horas de jogo, alguns preconceitos que me impediam de aproveitar jogos parecidos acabaram sendo derrubados, e pude aproveitar o que esse incrível jogo tinha de melhor para oferecer.


LISTA NEGRA


Ficou no bolso da outra calça! Eu juroooooo!!!
Most Wanted, em seu modo campanha, te desafiava a se tornar o mais renomado corredor das ruas. Para alcançar tal façanha, era necessário enfrentar os quinze pilotos da lista de mais procurados pela polícia da cidade. O incrível nessa parte é como esse jogo possuía uma curva de dificuldade sutil e enriquecedora para o jogador. 
A cada oponente derrotado, novas opções de customização, equipamentos e áreas novas da cidade iam sendo desbloqueados. A cada novo upgrade ou tunagem do veículo, a diferença na jogabilidade (e, consequentemente, na dificuldade do jogo) era quase palpável. Uns dias sem jogar já me deixavam meio enferrujado nas pistas.

O que eu mais gostava no sistema desse jogo era a enorme variedade de corridas. Abaixo um breve resumo dos tipos de desafios encontrados no game. E, antes que eu me esqueça, as corridas de Drift (aquelas em que você fica patinando com o carro de um lado para o outro para somar pontos) ficaram de fora da brincadeira. Não sei se isso foi proposital devido ao estilo do game ou se os desenvolvedores simplesmente comeram cocô na hora de decidir sobre quais modos de corrida estariam presentes. Só sei que ele faz muita falta nesse jogo.

-CIRCUIT: a clássica corrida em pista fechada com uma quantidade de voltas até o final. Aqui o objetivo é simplesmente chegar em primeiro, com direito a linha de largada e chegada;

-SPRINT: quase a mesma coisa que o circuito. A diferença aqui é que a duração da corrida é contada por uma percentagem de trajeto. Quem estiver em primeiro quando o percurso acabar ganha.
De longe um dos modos mais frustrantes, visto que um único erro pode mandar uma corrida de mais de cinco minutos pro espaço;

-DRAG: uma gota de suor cai da minha testa toda vez que um desses eventos vem de forma obrigatória nesse jogo.
O objetivo dos Drags é passar marcha no tempo adequado em uma corrida em que o controle do veículo é meio que “dificultado” pela CPU. Não entendeu as aspas? Quem jogou sabe a que me refiro. Alto índice de frustração também;

-LAP KNOCKOUT: o meu tipo predileto.
Parece uma corrida normal, como o Circuit. O diabo aqui está em um pequeno detalhe: QUEM PASSAR PELA LINHA DE CHEGADA POR ÚLTIMO É APAGADO DA REALIDADE E EXPULSO DA CORRIDA.
Por exemplo: em uma corrida de quatro corredores, se você for o terceiro colocado, o último carinha vai ser catapultado e não mais correrá a próxima volta. Isso se repete até que um carro (o campeão) sobre na pista.
O bom desse modo é que você tem várias chances de se superar na direção e ter o gostinho de ver aquele FDP que ficava batendo na sua traseira ser extirpado da corrida como o tumor bolorento que é.
O lado ruim é que geralmente o primeiro cara corre muito bem, bastando um erro seu para que a Crise nas Infinitas Terras alcance o seu veículo.

NOTA: não há nenhum tipo de efeito para quando um dos oponentes é eliminado. Tudo que eu descrevi se passa apenas na minha cabecinha maligna de imaginação fértil mesmo;

-SPEED TRAP: a criatividade dos criadores do jogo é digna de um prêmio. Quer dizer, não sei se eles criaram, de fato, esse estilo de corrida. Mas eu adoro esse aqui também.
Speed Trap consiste em uma corrida de uma volta em que a velocidade de todos os carros será aferida por câmeras de controle de tráfego (aquelas que fotografam a placa e velocidade dos carros infratores). A cada checkpoint os pontos da sua velocidade vão sendo somados. Quem passar voando em maior velocidade durante estes momentos ganha a competição. Chegar em primeiro lugar ajuda na pontuação, mas não é fator determinante. De fato: já aconteceu de eu passar em segundo lugar mas conseguir vencer por ter excedido mais os limites de velocidade que o primeiro colocado.
Desnecessário dizer que o uso do nitro nos momentos corretos é peça fundamental para a vitória nesse modo;

-TOLLBOOTH: é uma corrida em que você trafega sozinho na pista (sozinho entre aspas, pois o tráfego de carro ainda está lá para atrapalhar a sua vida). O objetivo é alcançar os checkpoints dentro do tempo limite. Por exemplo: se você tiver quinze segundos para chegar no ponto e conseguir atingir o checkpoint faltando cinco segundos, esse tempo será adicionado ao seu próximo checkpoint. Se você deixar o tempo se esgotar, perdeu playboy...

-PERSEGUIÇOES EM GERAL: o título Most Wanted não está lá pra meramente enfeitar a capa do jogo.
Durante todo o game será preciso lidar com a presença da polícia. E esses são os grandes momentos do jogo.


DESTRUIÇÃO SOBRE QUATRO RODAS

O prato do dia? Tocar o terror nas ruas, claro!


Alguns desafios serão obrigatórios (exigência de grande parte dos participantes da Black List). Mas, mesmo durante outros modos de corrida, acontecerá de você esbarrar com um dos vários carros de polícia e dar início a ferrenhas perseguições por toda a cidade.
Essas perseguições podem durar alguns minutos ou até mais de meia hora, como já aconteceu comigo mais de uma vez. E eu dou um conselho sobre isso: com o avançar do game as chances de escapar da polícia vão ficando cada vez menores. Muita perícia de jogo será necessária para não ser preso por causa daquela batida em um dos meio-fios das ruas da cidade.

Como era moda na geração passada (por causa de GTA), vários níveis de procura eram adicionados à ficha criminal do seu piloto (me divertia muito ouvindo as descrições feitas pela rádio da polícia, que parecia sempre estar antenado com as mais recentes mudanças de customização do meu carro).
No início apenas carros basicões de polícia vão correr atrás de você. Com o avançar no jogo e o descer na lista, vários tipos de upgrades serão feitos nos carros dos homens da lei para dificultar as suas escapadas sob quatro rodas: Sedans pretos (carro da MIB, como eu costumo chama-los); Pickups 4X4 (com o objetivo não de te perseguir, e sim te arrancar da pista com trombadas violentas) e até helicópteros (que tornam a tarefa de se esconder quase impossível e ainda adicionam um efeito legal de vento). Isso sem falar nos fantásticos (e deliciosos de quebrar) bloqueios de estrada, com direito a espetos na pista pra furar os pneus do seu carro e casca de banana pra te fazer derrapar. Ta certo, esse último eu inventei. Não resisti de fazer uma referência a Mario Kart.


Lindo, mesmo nos dias de hoje


Vale ressaltar que os gráficos desse jogo são espetaculares. Isso fica ainda mais inquestionável durante as batidas nos carros de polícia nos bloqueios, que resulta em um estupendo efeito de câmera lenta que me fazia pular de emoção quando derrubava vários carros de polícia ao mesmo tempo na estrada (eu gritava: CHUUUUPAAA!!! quando eles saíam voando e eu cantando pneu)
Claro, vale ressaltar que toda essa festa acabava quando você era preso (encurralado pelos carros-patrulha ou quando tinha os pneus furados). Se isso acontecesse, você tinha a opção de pagar uma bela propina para os tiras te deixarem ir ou outros tipos de castigo, como perder dinheiro ou até carros inteiros. E haja ponto na carteira pra aguentar tudo isso.

Consegue ver as linhas de velocidade? Eu sim.


Como eu disse agora há pouco, os gráficos desse jogo eram fantásticos. O efeito de nitro, por exemplo, é um dos mais belos que já vi em um jogo do gênero (a tela ficava toda borrada e cheia de um efeito que os criadores do game chamam de Speedlines, que infelizmente não apareceu mais em nenhum outro jogo da série), e eu adorava aplicar a cor vermelha na carroceria do meu carro pra que ele se misturasse à luz dos faróis traseiros quando eu ativasse o turbo. O apelido do meu carro era “Demônio Vermelho”. Ah, bons tempos de falta do que fazer...

Havia (estraga-prazeres) quem torcesse o nariz para o fato de todo o jogo se passar em um tipo de distorção temporal na qual sempre é “tardinha”. Sabe aquele momento do dia que ainda não ficou totalmente escuro (tipo,crepúsculo, sem nada a ver com vampiros fake)?
Bem, o fato é que esse jogo teve um acabamento gráfico de um esmero inarrável.
Os visuais presentes no jogo são tão bonitos que jogamos com aquela pergunta na cabeça: “pra quê tudo isso em um jogo no qual passaremos correndo a 370 KM/H pelos cenários”?
E detalhes é o que não faltam nas ruas de Rockport.


Olha o Demônio Vermelho aí gente!!!


O cuidado com pormenores nesse jogo beira o doentio. Há tanta coisa nas ruas que às vezes chega a tirar a nossa concentração durante as corridas mais velozes (cadeiras; pixações nos muros; abrigos de ponto de ônibus e um sem número de coisas que me fogem à memória no momento). Todo um mundo a ser ignorado pelo melhor que a adrenalina da alta velocidade pode proporcionar.

Uma queixa que tenho com relação aos visuais do jogo (que não posso deixar passar em branco sob pena de me afogar nas águas negras da parcialidade) é a respeito da variedade no visual dos carros: eles são muito parecidos, e as melhores customizações acabam nos levando ao mesmo estilo de veículo. Coisa que outros jogos, como Midnight Club, davam um banho nesse aqui.


RONCO DO MOTOR
Tava só ouvindo o rádio, policial!

Em geral, em jogos de corrida, eu abaixo o volume do motor do carro pra não atrapalhar no resto dos sons do game. E nesse jogo havia um motivo a mais para fazê-lo: A TRILHA SONORA DE NEED FOR SPEED MOST WANTED É A MELHOR JÁ FEITA PARA UM JOGO DE CORRIDA.
Não vou me prolongar nesse tópico. Só quero reafirmar que A TRILHA SONORA DE NEED FOR SPEED MOST WANTED É A MELHOR JÁ FEITA PARA UM JOGO DE CORRIDA.
Sim, a trilha desse jogo é tão boa, mas tão boa que é preciso fazer eco para que ninguém passe batido por esse detalhe.
Não conhece? Vá no Google e baixe a trilha completa, caso não possa jogar o jogo. É uma daquelas coisas que justificam a pirataria de se apoderar de algo alheio. Aliás, a trilha desse jogo devia vir junto com o disco do jogo para fazer jus ao trabalho dos desenvolvedores.


O MAIS CONVERTIDO...

Não sei como cabe tanto carro aí dentro...
Most Wanted não foi lá um sucesso de crítica na geração dos 128 bits. Mesmo assim esse jogo foi portado para praticamente todos os consoles vigentes (até para o Gamecube da Nintendo, por incrível que pareça).
É sério. Esse jogo saiu para: PS2; Gameboy Advance; PC; Nintendo DS; Xbox; Celulares; PSP; Xbox 360 e PS3.

Muita atenção nesses dois últimos.
No 360 ele foi lançado no começo da vida do console. Um port descarado apenas atualizado para a alta definição.
No PS3 nem isso fizeram: lançaram a versão original de PS2 sem upgrade HD. O pior é que o jogo é simplesmente emulado no console, de uma forma que eu simplesmente não consigo compreender: além da ausência dos gráficos HD (que já existem no Xbox, portanto sendo obrigatórios neste console) não há sistema de troféus ou uma resolução maior de tela. Somos obrigados a “desfrutar” dos (outrora) deslumbrantes gráficos do jogo em uma telinha ridícula de 4:9, a resolução de TVs quadradas.
E outra coisa que eu não entendo: por que diabos o jogo DESLIGA O CONSOLE toda vez que iniciamos o programa? Mistérios da incompetência...

Mas uma coisa sobre esse jogo eu preciso confessar: apesar de todo meu apreço pela obra-prima da EA Black box, eu nunca cheguei a terminar o modo careira do jogo (acho que o mais longe que cheguei foi o quarto corredor da Black List).
Em parte por causa de sua extensão. Em parte por causa do crescente nível de dificuldade que o jogo apresenta. E isso não é uma falha. Muito pelo contrário: a curva de dificuldade de Most Wanted é muito respeitosa e equilibrada. Mas chega uma hora que o jogo fica tão difícil que não é exagero dizer que uma simples derrapada é capaz de arruinar uma corrida de mais de sete minutos de duração. E, às vezes, um jogador simplesmente não está com paciência para esse tipo de desafio.

Mas esse é um erro que pretendo corrigir futuramente. Enquanto isso a minha versão digital do jogo descansa no apertado HD do meu PS3, esquentando os motores do Demônio Vermelho e aguardando a oportunidade de cantar pneus nas turbulentas ruas de Portrock.


O RETORNO DO MAIS QUERIDO

Oi, bonitão. Quer dar uma voltinha?


Essa geração de games vem sendo bastante morna quando o assunto são jogos de corrida.
A Rockstar, antes uma grande representante de ótimos games desse gênero simplesmente não entendeu que jogos de carro com temática rapper saíram de moda há uma geração e lançou o irrelevante Midnight Club Los Angeles e seus clones tunados. Triste, vindo de uma empresa que competia de igual pra igual com a gigante dos jogos de esporte.

Já a (ex) gigante dos jogos de esporte descaracterizou a série The Need for Speed de tal forma (atirando pra todos os lados com jogos como Shift e The Run) que foi necessário apelar para a panacéia tão comum nesta geração, chamada “retorno às origens”, e relançar um game da franquia Need no exato molde do primeiro aclamado pelos fãs.
A quem gostava do jogo original só restava sonhar com um projeto que dificilmente se tornaria realidade...


PROMESSAS DE E3?

Tá danado! Mal lançou já ganhou prêmio?!
Na E3 deste ano, vários jogos foram anunciados. Mas um que causou taquicardia em meu coraçãozinho nerd foi o anúncio de que uma continuação do meu jogo preferido ever de corrida seria lançada ainda este ano. E, no mesmo anúncio, um pequeno detalhe causou bradicardia neste mesmo coraçãozinho nerd: o game seria desenvolvido pela Criterion!
Aqui você pode conferir o impacto que essa notícia causou em mim na época.

Qual o meu problema com a Criterion? Tirando o fato de que ela costuma fazer jogos de corrida para menino amarelo em que temos que ficar dando trombadas em outros carros, dando uma bela banana para Sir Isaac Newton e sua chatas leis da física? Nenhum.

De fato, até cheguei a jogar umas boas horas do Burnout Dominator, para PS2. E eu, como menino amarelo que sou, consegui até me divertir bastante nos desafios em que precisávamos planejar a batida de nosso carro para causar um efeito dominó de destruição sem precedentes. E o gráfico desse jogo era bonito pra cacilds! Assim como Black e Valkyrie Profile Silmeria, parecia que um intruso next gen havia possuído o meu surrado PS2.

Gráficos de PS2, pode acreditar!


O problema disso tudo se configurava em uma empresa “estranha” metendo o bedelho em um jogo que, teoricamente, só poderia fazer jus ao seu antecessor se fosse desenvolvido pela mesma equipe do original.
Para minha total surpresa, a demo do novo Most Wanted foi lançada e, assim como no Street Fighter 4, tenho o grande prazer de anunciar que às vezes é delicioso estar redondamente enganado com um game.


THE REST IS UP TO YOU

"Tocaremos esta cidade como uma harpa do inferno..."


A coisa mais notória na demo desse jogo é o capricho nos detalhes.
Charme é um artigo em falta no desenvolvimento de games da atual geração: personagens com animação terrível e de fazer vergonha a protagonistas do PSone (como gosto de dar nome aos bois, lá vai: Resident Evil 6); cutscenes sem o menor impacto ou grandiosidade (Final Fantasy 13); ausência de animações básicas e fundamentais para uma boa relação gamer-game (como a falta de indicação de dano sofrido por Shepard no Mass Effect 2); telas de game over que simplesmente pipocam em um fundo preto, com as típicas opções de quit ou load (ME 2 de novo).
Todos esses detalhes me causam embrulho no estômago e chegam até a me afastar de um jogo menos estimado por mim, dependendo de fatores como o pé com o qual levantei de manhã cedo e meu estado de espírito ao ser apresentado ao mundo que o jogo se propõe retratar. E o mais legal de tudo isso é que o novo Wanted não sofre de nenhum desses problemas.

You leave me breathless...


Já no começo da demo dá pra ver que estamos com um game pra lá de especial em mãos.
A apresentação do game é muito bonita e charmosa:



Mais uma vez a EA ataca com uma trilha exclusiva criada especialmente para o jogo.
Como se não bastasse, belos gráficos abrem as quatro portas da estonteante cidade de Fairhaven para nos iniciar no mundo das corridas fora-da-lei. E tudo isso em tempo real.
Falarei mais desse aspecto do jogo no tópico GRÁFICOS.


GRÁFICOS

Fala sério: é impressionante ou não é?


Nossa! Essa foi rápida! E sabe por que a pressa pra falar de um quesito de jogo que pode ser totalmente irrelevante, dependendo da experiência que o jogo se propõe a entregar? É que os gráficos de Most Wanted não são nem um pouco irrelevantes para a diversão do jogo como um todo.

Como tratar deste tópico sem cair no exagero dos elogios não velados?
Nesse caso fica difícil, mas vou tentar organizar as idéias para não ser totalmente antiprofissional: ESSE JOGO É BONITO PRA KR@JO! ETA JOGO BONITO DOS INFERNOS!
Bem, isso não foi lá uma boa forma de pôr ordem às idéias. Mas me desculpem. Não consigo utilizar de muitos termos técnicos para falar de uma coisa que, literalmente, salta aos olhos nesse jogo.
Como eu tinha dito, os Burnouts da Criterion eram bonitos pra caramba. Tão bonitos que pareciam ter vindo do futuro, de uma geração à frente. Mas com o novo Most Wanted essa empresa se superou.

Acredite: é ainda mais bonito em movimento!


O nível de detalhamento do jogo está fantástico. Impecável. Soberbo. E todos os outros adjetivos que o falecido deputado Clodovil Hernandes usaria para descrever aquela bolsa Louis Vuitton fabulosa que estava em liquidação na 25 de março.
Gracejos à parte, o gráfico desse game é incrível, mais uma vez.
Os carros são lindamente detalhados; o brilho do chassis é tão bonito quanto o brilho de um carro de verdade pode ser; a cidade é magnífica, com uma variedade absurda e com cenários tão pitorescos que conseguem tirar a sua concentração durante as andanças pelas ruas de Fairhaven. É sério: fica quase impossível continuar com um mesmo objetivo de jogo, de tantas localidades exóticas (como um cemitério de aviões ou uma construção vítrea de fazer Niemeyr ficar babando. Bem, acho que ele JÁ deve estar babando, devido a sua avançada idade. Ta vendo como os cenários desse jogo são incríveis?).
O esmero da equipe com este jogo não foi pouco, de forma que até os carros não selecionáveis são muito bem detalhados e animados.

Carro voador é uma novidade na série


O visual durante as batidas (bastante freqüentes, já vou logo adiantando) é soberbo: estilhaços; pedaços de vidro; peças de Lego... ops! Me empolguei um pouco! Mas acho que deu pra captar o que estou querendo dizer.
Os detalhes do cenário são absurdos. Eu sei, estou me repetindo, mas não consigo evitar: o reflexo das poças de água no asfalto molhado; o pôr-do-sol; as folhas voando ao vento; a poeira levantada pelos pneus; a pintura dos carros; os raios de sol; as partículas de sujeira que grudam no carro; pneus cantando; nossa! É tanta coisa pra descrever que fica difícil. Posso apenas dar o conselho: NÃO ASSISTA A VÍDEOS SOBRE ESSE JOGO. ELES NÃO FAZEM JUS À BELEZA GRÁFICA QUE ESTE MOST WANTED NOS APRESENTA. É UMA DESFEITA COM OS PROGRAMADORES DO GAME. JOGUE. PREPARE O BABADOR E JOGUE EXPLORANDO CADA DETALHE QUE EU COMENTEI NESTA PARTE.
Pronto. Mais justiça nerd sendo feita.

Tá vendo a areia no capô?


Pra resumir, Most Wanted carrega o muito bem-vindo legado dos jogos da Criterion quando se fala em gráficos propriamente ditos. O expertise dessa empresa é impressionante. Já dava pra perceber isso desde o Black (para PS2 E Xbox). Nos Burnouts nem falo. Aqui a proeza técnica alcançada pela empresa se repete. Graças aos céus, Fairhaven é uma das localidades mais belas a qual tive o prazer de visitar em um jogo de videogame. E você sabe: quando eu uso o termo ‘videogame” em vez de “jogo” ou “game” é porque o bagulho é sério mesmo.
E eu poderia passar linhas e mais linhas tentando expressar com o jogo é bonito. Não conseguiria, é certo. Então vou parar por aqui.


TRILHA SONORA

Aqui dentro o Vruuuuuuuuum é com Ékiu...


Nessa parte MW não me surpreendeu nem um pouco. O fato nem chega a ser “culpa” dele. É que a trilha do primeiro jogo era tão boa e insuperável que eu nem criei muita expectativa.

Não que isso signifique que a trilha do novo seja ruim. Longe disso. Ela é muito boa e bem variada. Tem até uma faixa eletrônica que não desgruda da minha cabeça (ATUALIZADO: a faixa é I Love It, do grupo Icona Pop). Mas é como eu disse: a trilha do primeiro é insuperável. E, se eu não disse isso antes, o faço agora: CORRER NAS RUAS DE UMA CIDADE ABERTA A 300km/h AO SOM DE BLOOD AND THUNDER É UMA EXPERIÊNCIA QUE NÃO DÁ PRA DESCREVER COM PALAVRAS. Infelizmente não achei um vídeo de jogabilidade, pois teria que procurar em milhares de vídeos até encontrar. Jogue o jogo ou ouça a música e use a imaginação.

Não posso falar de som sem ressaltar a qualidade dos efeitos sonoros também.
Do típico ronco de motor até batidas e derrapadas, tudo ficou muito bom e bonito de se ouvir.
Para aqueles que costumam abaixar o som do jogo e tacar um par de fone de ouvidos na cabeça tocando rock pauleira, só posso dizer uma outra coisa em caixa alta: O SOM DE UM LAMBORGHINI CORRENDO A 180KM/H DENTRO DE UM TÚNEL ABAFADO É COISA DE DEIXAR DESDE O MAIS LEIGO ATÉ O MAIOR APAIXONADO POR CARROS BABANDO DE DESLUMBRAMENTO DIANTE DA TV.

ATUALIZADO: A trilha de NFSMW fica em pé de igualdade com o jogo original, de PS2. Para conhecer as melhores faixas do game, em minha opinião, clique aqui para o post com a OST.


JOGABILIDADE, ELEMENTOS DE JOGO E ASPECTOS GERAIS

Se não tem ele no jogo devia ter...


Nada do que foi descrito acima valeria de nada se a Criterion decidisse pelos jogadores que ninguém mais quer jogar um jogo com uma fórmula de sete anos atrás.
E, cara, eu podia dar um beijo na boca de todos os funcionários dessa empresa (principalmente a da narradora do tutorial) pelo trabalho de Control C + Control V mais competente que eu já vi em um game inspirado em outro game.


CARS! LOTS OF CARS!

É carro pra tudo quanto é lugar


O sistema básico do jogo ficou inalterado: você é o décimo primeiro em uma lista dos dez mais procurados pela polícia, e deve galgar posições até virar o CJ das corridas de rua. Até aí, tudo bem, já que esse jogo deriva do original e não poderia ser diferente.
Mas, cara, a quantidade de carros existente neste jogo é absurda.

Logo no início, quando a bela voz da narradora te ensina o básico do game, ela fala a proverbial frase "Lots of Cars" (caralhada de carros, do inglês para o português. Não precisa agradecer pela precisão na tradução. Estou aqui para proteger e servir). E pode acreditar no titio Shadow mais uma vez: essa pequena frase não dá nem sombra da dimensão do “problema” que você vai ter pela frente com esse jogo.

Esses modelos eu ainda não tenho...
A quantidade de carros é tão grande que fica difícil correr mais que um quilômetro sem topar com uma "raça" nova de carro pra capturar com a sua Pokebola. Ta bom, me empolguei de novo. Mas se a Capcom pode brincar de misturar gêneros por que eu não posso também?
Os carros são agrupados por marcas. Quando você acha um dos safadinhos parados (esperando para serem encontrados) é só apertar o botão triângulo para trocar de carro. Uma breve vinheta (belíssima) vai passar e você só precisa esperar um curto load para sair tocando o terror com seu novo brinquedinho.
Uma vez adquirido, o novo carro entra pra sua lista de carros (acessível pelo Easy Drive. Falarei dele daqui a pouco) e pode ser controlado a qualquer momento que você desejar.

Aliás, esse era um aspecto que gerava muita preocupação em minha parte fã do Most Wanted: de fato, esse novo jogo corrige um dos poucos defeitos graves que o jogo original possuía, que era a baixa variedade de veículos (quando você ia customizando os carros acabavam ficando todos com a mesma cara, coisa que não acontecia no Midnight Club Dub Edition, por exemplo).
Mas essa variedade de veículos do mais novo, se mal planejada, poderia sair mais como um tiro pela culatra que um fator de enriquecimento e diversão do jogo.
Fico feliz em avisar que, mais uma vez, o bom senso imperou e a Criterion tomou todas as decisões corretas para garantir que a experiência fosse a mais fluída e natural possível para o jogador.


O MOTORISTA FÁCIL

Essa barrinha opera milagres.


Tosca só a minha tradução mesmo, pois o conceito do Easy Drive faz jus ao nome que carrega.
No primeiro Most Wanted dava pra acessar todas as funcionalidades do jogo através do direcional digital: corridas; emails; mapa e etc.
Mas aqui os criadores se superaram: até uma pedra consegue navegar pelos comandos do Easy Drive, pelo simples fato de que você só vai precisar dar toques para a direita no direcional para ativar corridas; opções de tunagem (caso você não queira aplicá-las automaticamente); troca de carros; fast travel e todo tipo de conteúdo presente no jogo.

Eu bato palmas para essa idéia. A EQUIPE DO GAME ESTÁ DE PARABÉNS PELA FORMA COMO TUDO FICOU INTUITIVO E SIMPLES NOS MENUS DESSE JOGO.
Quem me conhece sabe o ódio mortal pelo fator “comando new game acima do comando load” que eu sinto com relação a esse tipo de detalhe em um jogo. Eu sei. Pura neurastenia. Mas fazer o quê? Amor ou ódio por algo acaba gerando esse tipo de transtorno mesmo.
O fato é que os menus do jogo estão deliciosamente simples e fáceis de usar.


VARIEDADE DE CORRIDAS
Epa! Avião não vale.


Devido ao fator descrito acima (o de não conseguir dirigir mais que um quilômetro sem topar com um novo carro) ainda não consegui explorar a variedade de corridas que o jogo dispõe. Mas eu sei que tem corridas de Drift, e isso é um ótimo sinal.


COISAS PRA SE FAZER

Tem o que fazer não pra tá subindo no telhado dos outros?


Além da prazerosa tarefa pokemoniana de pegar todos os carros, existe o desafio de encontrar e destruir placas e outdoors com as logomarcas das empresas filiadas da EA.
Elas estão espalhadas em todos os cantos possíveis e imagináveis dos cenários e, quando você as destrói, uma placa de “Fulano de Tal Procurado” fica em seu lugar.
Além de ser divertido de se fazer, eu confesso que sinto um prazer sádico ao topar com placas como a da Visceral Games. Acaba rolando um momento de vingança pessoal pelo que a empresa vem fazendo, por exemplo, com séries como Dead Space. Sim, eu já disse que sou doido. Qual a surpresa pra quem chegou até aqui no texto?

Quebrar o outdoor da própria Criterion é morder a mão que te alimenta!



Além das placas, existem grades de proteção e câmeras de velocidade a serem destroçadas em prol da fina arte de correr como louco sem ser pego pela (chata e cafona e estraga-prazeres e cara de penico) polícia de Fairhaven.
Todas essas atividades geram, além de diversão, pontos que ajudarão em sua escalada pra baixo na lista dos mais procurados pela polícia.


JOGABILIDADE DAS CORRIDAS

Nada de simulação: enterre o dedo no R2 e seja feliz!


As corridas têm início quando você chega ao destino programado para o evento e pressiona os botões L2 e R2 para cantar pneus e levantar poeira. Uma queixa sobre esse detalhe é que ele é bem legal mas a animação poderia demorar um pouquinho mais, para dar aquela adrenalina de “sai da frente que eu tô com tudo”.

A jogabilidade dos carros varia muito de acordo com o tipo do carro. Carroceria e peso determinam alguns fatores, como velocidade e facilidade para bater ou ser afetado por batidas de carros comuns ou dos oponentes (tem um tal de Protection Shield, se não me engano, que deve aumentar a sua resistência contra impactos). E pode apostar que esses últimos farão de tudo pra trombar em você e te fazer perder a direção (herança da Criterion e seu Burnout).

Quando você bate, estando apenas passeando ou dentro das corridas, uma animação de acidente acontece e a palavra “CRASHED” surge no topo da tela.

Não era bem esse Crash a que me referia...
Você ficará incapacitado de correr enquanto ela durar e eu acho isso muito legal, servindo como um fator de equilíbrio dentro de um jogo que deve exigir o mínimo de perícia e cautela do jogador.
No primeiro Most Wanted você podia bater em caminhão carregado de toras de madeira que nada acontecia, além da perda de velocidade. Neste aqui, dependendo do modelo do carro, é bom você ter muito cuidado com aquela van da NBC que vem na contramão justo na reta final da corrida. Experimente dar umas voltinhas com o carro de corrida da marca Ariel e saberá do que estou falando.

Essa animação é bem bonita e impactante, mas fica chata depois da décima batida. Um óbvio e justo fator de punição que o jogo institui. Muito justo sim, pois só depende da sua perícia no jogo seguir a 1000Km/h ou se estatelar bonitamente em uma parede de tijolos.
A sorte é que, para todas as avarias presentes no jogo existe um tipo de Pay ‘n’ Spray (postos de gasolina) que reparam tudo, desde simples arranhões até pneus estourados, além de mudar a pintura do carro.

A dificuldade do jogo, para meu maior contentamento, é bem alta.
Não se deixe enganar pela palavra “Easy” na descrição de alguns eventos: você pode até querer apenas passear e coletar carros mundo afora mas, se decidir correr pra valer, é bom se preparar para o que está por vir.
Como em todos os jogos de carro que eu já joguei, os oponentes desse aqui não cometem erros. Claro, vez ou outra eles acabam sendo vítimas de elementos do cenário, como obstáculos ou carros comuns. Mas não se engane e nem se acanhe: se você der uma batida federal ou errar o caminho (apesar dos checkpoints deixarem o trajeto bem claro), aperte Start e escolha o comando Retry. Até porque a sua posição ao final da corrida determinará o tipo de gostosura que você receberá no final (nitro; pneus off-road; mais dinheiro...).

Foi só um arranhão, seu puliça!


O último aspecto da jogabilidade que eu gostaria de analisar é nas corridas de escapada da polícia.
No primeiro jogo você era perseguindo e o nível de procura ia aumentando. Mas bastava você dar cabo dos perseguidores ou encontrar um “hide point” para que o evento chegasse ao fim.
Neste novo Most Wanted o nível de procura tem subfases que vão diminuindo conforme as suas tentativas de evasiva. Ou seja: nada de se entocar em um túnel e ficar esperando que todos os carros de polícia desapareçam por mágica das ruas.
Outra mudança legal foi a perda da onisciência que os carros de polícia tinham com relação a você.
No primeiro jogo se uma viatura da polícia passasse por você a perseguição tinha início.
Aqui é necessária alguma ação que denuncie o seu comportamento de rachador (sim, eu também assisto ao Pica-pau), como exceder o limite de velocidade ou bater em um dos carros dos homens-da-lei.


CONCLUSÃO SOBRE O NOVO MOST WANTED DA CRITERION



Queria começar com um pedido de desculpas à Criterion. Do alto da minha arrogância nerd acabei fazendo um julgamento preconceituoso baseado no fato de que EU ODEIO OS MALDITOS CARROS ACHATADOS QUE ESSA EMPRESA COLOCA NOS JOGOS. Ops! Acho que me descontrolei um pouco. Mas é mais ou menos isso: desculpe, Sra. Criterion, por ter sido preconceituoso e atirar pedras antes mesmo de saber quais eram os seus pecados. Você fez um jogo bastante fiel ao original e merece o crédito por isso.

Falando sério agora: é muito bom ver como a empresa fez a lição de casa direitinho, pois tudo que fazia o Most Wanted ser o melhor da série está aqui, e com um pouquinho a mais pra minha felicidade.

VALEU A COMPRA? SIM. Está valendo e ainda vai valer por um bom tempo.
The Need for Speed Most Wanted: a Criterion Game, é um jogo muito bem-acabado.

Ele é bonito em todos os sentidos. A variedade de carros é absurda ao ponto de me fazer repetir a frase “a variedade de carros é absurda”! durante todos os momentos de jogo.
A trilha sonora não consegue superar a do primeiro jogo, mas chega bem perto de sua qualidade, o que já é algo muito significativo levando em consideração a qualidade daquela.

Esse era um efeito que eu esperava partir de franquias como Resident Evil e Final Fantasy. Esperava ver essas duas empresas admitindo a cagada que fizeram e trazendo todos os elementos que encheram os bolsos delas de dinheiro de volta.
E espero que esse fenômeno seja o padrão daqui pra frente.
Parabéns À Criterion pelo ótimo jogo.

Dá pra se pentear num chão desses!


Au Revoir!

8 comentários:

  1. Otimo post, gostei ainda mais quando falou de Blood and Thunder, sou muito fã de Mastodon. O jogo parece muito, eu pensei que já tivesse sido lançado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. valeu JP. que bom que vc gostou.
      da banda Mastodon eu só conheço mesmo essa música pois esse estilo musical não me agrada muito. mas essa faixa é muito boa. a guitarra é animal e combina 100% com perseguições em alta velocidade.
      sobre o jogo ser lançado, de qual vc está falando? se for o Most Wanted 2 ele já saiu. eu joguei a demo mas já peguei a limited edition. quando bati o olho na demonstração senti que vinha coisa boa pela frente. se puder jogue.

      Excluir
  2. Shadow, como posso pegar seu contato para falarmos sobre uma parceria entre blogs? Se tiver interesse, me passa um e-mail vitor@sigu.com.br

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vitor, neste exato momento não estou muito inclinado a parcerias. mas, dependendo do conteúdo do seu blog, posso pensar a respeito futuramente. você esqueceu de me passar o link do seu blog para eu ter uma ideia do seu material.

      Excluir
  3. Pensei em repartir o texto para ler aos poucos mas, como se trata de NFS (principalmente da linha underground e MW) e o texto foi fluindo bem, não precisei fazer isso.

    Sobre os NFSU, vale ressaltar que Underground 2 é imenso e massivo. Lembro-me da época em que jogava e que a galera fazia progresso em uma conta só com o memory card da locadora (pois é, esses negócios fizeram parte da infância de uma boa parte da garotada. O interessante é que cada um gostava de um tipo de corrida, então todo mundo jogava só aquilo que gostava. Melhor estratégia "ever") mas, chegava nos 40%, ninguém mais tinha ânimo para continuar (e dinheiro também =( ). Isso sem falar das pouquíssimas cut-scenes que não deixavam aquela vontade de terminar o jogo. Mas mesmo assim, temo em dizer que, o maldito sugou boa parte da minha vida social.

    Enfim, vou ser sincero contigo Shadow, pensei que você ia fazer uma crítica contra Most Wanted "2". Realmente me surpreendi quando li seu elogio ao jogo. Isso por causa de mais uma daquelas polêmicas sobre fãs de sempre.


    Gostaria de saber se os carros são totalmente customizáveis ou se somente a performance do mesmo pode ser alterada? É verdade que o jogo em si foi projetado para se jogar online?

    Ah, quase me esqueci: Ótimo texto, parabéns!

    Acredite, é realmente difícil me fazer ler textos monstruosos de uma só vez.

    ResponderExcluir
  4. sobre o Underground 2, simplesmente não bateu aquela empatia que tive com o primeiro. não estou julgando o jogo, apenas dando a minha opinião pessoal sobre ele. se você gostou dele e foi um jogo especial pra você, fico feliz que tenha conseguido se divertir.

    sobre a minha opinião a respeito do game, bem... é a minha opinião! eu disse o que eu senti sobre o jogo. não li reviews ou li nada a respeito antes de jogar a demo, achar que valia a pena e realizar a compra.

    sobre as suas dúvidas, não acho que os carros sejam totalmente customizáveis. não pude jogar muito ainda, mas até onde joguei só a performance era alterada.
    realmente esse foi um detalhe que deixei de fora do post, mas acho que essa coisa de customização total de aparência foi uma moda da geração passada e tampouco acho isso um demérito pra jogo nenhum. como eu falei no texto, uma das falhas do MW era justamente o visual pouco variado dos carros. vc dava vários upgrades só pra deixar os carros com a mesma cara.
    no MW2 tem tantos carros distintos (123 se não me engano) que acho que isso não tem tanta importância. cara, vai por mim: é tanto carro, cada um com seus tipos de corrida (que variam de acordo com a categoria do carro: vc nunca vai ter o azar de guiar uma pickup competindo contra um lamborghini) que acho difícil que isso atrapalhe a diversão de qualquer forma.

    sobre jogar online, nem se preocupe que não é verdade. existe uma campanha offline cheia de coisa pra fazer, e uma bela e enorme cidade pra explorar. pra ser sincero, ainda nem experimentei o modo online. sou um jogador "das antigas" que prefere a calmaria do modo offline pra depois me aventurar nas loucuras da rede.

    obrigado pelos elogios. saber que alguém gostou de um post que escrevemos nos dá força para seguir em frente com o blog. até o próximo.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, acabou de f#der com minhas economias de fim de ano! Pra um cara que não é tão fã de jogos de corrida(exatamente como eu) o review foi extenso (e convincente)! Coincidentemente minha situação é quase a mesma que a sua; não nunca fui jogador de games de corrida; só joguei Top Gear e Mario Kart nos tempos áureos, e algum NFS aleatório num PC antiquíssimo de um amigo (bons tempos de república em que a boemia e a quebradeira reinavam); e depois de comprar o PS3 fui tomado por uma estranha vontade de dar mais atenção ao gênero. Acabei comprando Dirt 3 junto com o console. Gráficos lindos, detalhes impressionantes, mas faltava emoção. Pesquisei e pensei então em comprar o NSF Hot Pursuit, cujas perseguições acrescentariam o que faltava ao Dirt 3. Agora acho que já mudei de idéia... lá se irão meus trocados pro Most Wanted.

    P.S. Niemeyer já não mais baba entre nós. Foi projetar as novas instalações do "Nosso Lar".

    Ítalo Pedro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina, Ítalo. sempre que precisar de alguém para f#der com as suas economias de fim de ano, pode contar comigo rsrsrs.
      brincadeiras à parte, o jogo é muito bom. eu ia comprar o the run mas baixei a demo do MW e senti que tinha algo de muito bom vindo pela frente (e a 300 km/h). o hot pursuit acho que é de corrida nos trilhos, então não me atraiu muito. já o dirt eu joguei um pouco do primeiro (emprestado) mas a jogabilidade é muito gran turismo pro meu gosto e a temática de rally não me atrai.

      P.S.: nem me fala. agora tô me sentindo culpado. tiro onda com a saúde do sujeito e uma semana depois ele bate as botas rsrsrsrs.

      Excluir

SE FOR SPAM, DESISTA. NÃO PASSARÁ PELA MODERAÇÃO.
Pra comentar é preciso ser membro do blog. Culpe os spammers, não a mim...

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.