.

.
.

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

ANÁLISE: YU-GI-OH! GX (PSP)






















É engraçado como algumas coisas acontecem sem que a gente se dê conta ou planeje: eu criei o Mais Um blog de Games no final de 2011, com pouca técnica ou experiência em escrever, mas com muita vontade de soltar o verbo sobre assuntos que eu achava que mais ninguém na internet tinha falado, com a mesma convicção, anteriormente.

Nesse ritmo, eu acabei me focando naqueles jogos ou franquias os quais eu achava mais urgente escrever sobre no momento. Por uns bons quatro ou cinco anos, essa mentalidade de encarar prioridades acabou deixando o blog meio que sem forma, ora focando em lançamentos super aguardados, ora dando um giro de 180 graus para analisar ou indicar um jogo obscuro ou antigo do qual poucos tinham ouvido falar.

Esse “problema” de foco criativo acabou passando a impressão, a menos na minha cabeça, de que eu menosprezava algumas franquias em detrimento de outras. Claro, mesmo o leitor menos familiarizado com a manutenção de blogs ainda deve ter em mente de que é impossível jogar ou conhecer tudo.

"Yay, chegou a minha vez!!!"

Desculpe se você tem a Cortana ou o Master Chief como figuras ilustres na sua experiência enquanto gamer: eu sou limitado por fatores como o financeiro (para jogar em vários consoles), disponibilidade de tempo e meu humor (volátil) pra escrever sobre um game que eu acho relevante.

Foi por causa desse efeito de excesso de informação e pouco tempo disponível que franquias como Yu-Gi-Oh! passaram quase que inauditas durante esses quase sete anos de blog. Os que estão pouco se lixando pra card games já devem estar correndo o cursor do mouse em direção ao botãozinho X de fechar a página. Àqueles fãs eternos da série, fica a impressão de que eu sou um Maria-vai-com-as-outras que inventou do nada que é um baita fã da franquia.

A quem pensa da segunda forma, fique agora com meu primeiro texto de um jogo da série Yu-Gi-Oh!, bem como algumas opiniões e descrição de situações in-game que jamais poderiam ter sido inventadas por um bot de inteligência artificial do Google ativado para ludibriar os leitores.


HISTÓRIA (7,5)


Antes de começar a falar da história do GX em particular, eu preciso falar das particularidades da MINHA história pessoal com a série Yu-Gi-Oh!. Eu conheci a série da mesma forma que 90% das outras pessoas que jogam os games atualmente conheceu: vendo o desenho tosco na T.V aberta. Numa época em que a internet engatinhava no Brasil e os playtimes (como são conhecidas as casas de jogos aqui na minha região) ainda existiam em número significativo para significar concorrência com outras formas de entretenimento.

Nessa época, meados de 2002, o game de cartas, impulsionado pelo anime da T.V, gerou um estranho fenômeno nos locais que eu frequentava: o Yu-Gi-Oh! Forbidden Memories, do Psone, chegou ao cúmulo de ser jogado, simultaneamente, em OITO aparelhos de T.V quase que lado-a-lado. O mais bizarro era testemunhar marmanjos calejados de PES ou Winning Eleven jogando um “joguinho de cartas feito pra crianças”, onde o objetivo era extinguir pontos de vida do oponente, ao invés de arrancar o topo da cabeça de zumbis com headshots de rifle sniper.

Pasmem: as cartas eram quadradas e não traziam nenhuma descrição do monstro!

Eu, amante eterno de jogos que forçam minimamente minha massa cerebral, tentei participar do frenesi das cartas do jeito que podia: como na minha casa havia um computador K6-2 com alguns megas de memória RAM, eu conseguia emular o jogo de forma satisfatória e passar horas colocando cartas e mais cartas pra cima pra ver no tipo de monstro que a mistura ia dar. Eu também assistia à primeira temporada exibida à exaustão, dever de casa mais que obrigatório a quem queria se familiarizar com as cartas que apareciam no jogo.

O resto da história é fácil de adivinhar: a Rede Globo não deu continuidade às outras temporadas da série animada (são cinco, pra quem não está por dentro do assunto); a indústria de games se mostrou incapaz de entregar um game que simulasse as jogadas e efeitos complexos realizados no desenho; e o interesse geral arrefeceu para dar lugar a outros modismos igualmente passageiros.

Agora que falei sobre minha história com a série animada, posso ser um pouco mais específico e detalhar a história do GX em particular. Ela é exatamente a mesma que você viu no anime (falo da série GX): personagens vivem numa realidade alternativa que se passa num tipo de faculdade de jogo de cartas onde tudo é resolvido na base do duelo (desde interesses amorosos até disputas físicas que deveriam ser acertadas com sopapos).

Esse é o Zé-Ninguém com que você joga. E o pior é que não nem pra escolher o gênero.

A diferença é que, ao invés de controlarmos Jaden na sua jornada para se tornar um duelista profissional, controlamos um completo estranho cujo nome é definido por nós durante o começo do jogo. A ideia é que você chegou paralelamente à Academia de Duelos junto com Jaden, a tempo de testemunhar os principais acontecimentos vividos pelo herói que adora heróis e seus amigos.

Além de revisar todos os principais acontecimentos narrativos que acontecem na série animada (ou seria o contrário?), também há eventos bem legais que foram retratados no anime, como o clássico duelo onde Jaden detona os pontos de vida de Bastion com o Kuriboh Alado de nível 10.

De forma geral, tudo que foi visto em 24 quadros por segundo, na tela da T.V, está inserido na experiência do modo campanha de Yu-Gi-Oh! Gx. Se você viu todos os episódios (da primeira temporada) vai se sentir em casa ao avançar na campanha principal do jogo. Sendo assim, pela primeira vez no blog eu atribuo uma nota não à qualidade do enredo de um game, e sim à sua fidelidade com relação ao anime.


GRÁFICOS (9,0) E SOM (9,5)


Antes de prosseguir, mais uma historinha precisa ser contada. Eu sei, eu sei, elas são um saco. Mas são necessárias, visto que é por meio delas que eu vou provar que tenho um relacionamento que já dura eras com a franquia em questão, e que não sou um bot da Google pago pra escrever post pra um blog.

Então, depois de jogar o Forbidden Memories (Psone), o Duelists of the Rose (PS2) e Capsule Monster Coliseum (PS2 também), eu fiquei sabendo do jogo (o GX pra PS2) por meio de um amigo e fui comprar numa banca de jogos “alternativos” no centro da minha cidade. Quando pedi pra olhar o jogo, pensei que o cara havia colocado o disco errado: a primeira tela, a da sala de aula, parecia a de um jogo de Gameboy Advance em resolução 480i.

Fiquei ultrajado, claro! Depois de jogar visuais de derreter as retinas de tanta beleza (como Shadow of the Colossus, Metal Gear 3 ou Valkyrie Profile Silmeria), eu achava que estava diante de uma piada de extremo mau gosto por parte de quem havia feito o jogo. Eu nem sabia que ele era um port de PSP, e tampouco estava interessado em descobrir isso. Larguei o jogo de lado e fui comprar qualquer outra coisa que parecesse ter sido desenvolvido na mesma década na qual eu me encontrava.


Diga se não é pra sair correndo de susto?

Mas o Coração das Cartas nunca abandonaria um fiel servo, e eu teria contato com Yu-Gi-Oh! GX uma vez mais antes de oficializar meu amor à terceira vista com o game. Ao visitar um amigo que também gosta desse tipo de jogo (e da série como um todo), ele me mostrou como eram os duelos do jogo, elemento esse que eu nem quis ver por causa do choque com os visuais pelo qual eu fui submetido.

Aí eu pensei: “é, até que o jogo é ‘legalzinho’. Dá pra fazer tudo que eu via no anime, e as batalhas são bem complexas e divertidas, não é? Acho que vou dar uma outra chance a esse game...” Por “dar uma chance” entenda-se: copiar o disco do meu amigo no computador e levar o jogo pra casa. Bem, depois de algumas poucas horas eu já havia me dado conta do julgamento precipitado que havia feito na primeira ocasião, e finalizei a jogada com a certeza de que estava diante do jogo definitivo da franquia.

Dessa forma, não tem como negar que o GX tem uma interface de jogo horrenda. Os personagens são cabeçudos de uma forma que desafiam as leis da embriologia como as conhecemos, a movimentação é tosca e os cenários parecem ter sido feitos no Paint. Mas as partidas de cartas são 100% fiéis ao que vemos nos animes, realizando um sonho antigo, ao menos pra mim, desde a fase do Reino dos Duelistas. E acho que isso é o que realmente importa num jogo.

Nunca julgue uma carta pela arte: o que conta é o efeito que ela causa. O mesmo vale pro GX.

Mas Yu-Gi-Oh! GX é tão malsucedido assim em seus aspectos visuais? Será que nada se salva no jogo, nem o tabuleiro de cartas? E por falar nelas, são borradas ou estão em preto-e-branco? Não, nada disso. O campo de duelo é bem legal, com um efeito de universo como plano de fundo. As cartas, apesar de serem um pouco pequenas, estão em ótima resolução, sendo diferenciadas por cores de acordo com sua função no campo. Os gráficos do game trazem até aquelas animações do oponente puxando uma carta, colocando no disco de duelo e etc. (o que, a meu ver, é uma tentativa válida da Konami de retratar os duelos com a máxima fidelidade possível).

A única queixa é que essas mesmas animações tornam o tempo de duelo impraticável (o que não chega a ser um problema, pois dá pra desativá-las nas opções). Infelizmente, mesmo que não fossem demoradas, as animações do oponente são bem serrilhadas, matando quaisquer vontades (até do discípulo mais fervoroso do Coração das Cartas) de realizar os duelos na íntegra, sem cortar nada.

Os novos campos de batalha são super legais e variados!

Já as cenas de ataque e invocação de monstros especiais estão de parabéns: passa um filminho em anime dos monstros mais legais do jogo entrando em campo e depois atacando, seja um Exodia prestes a obliterar ou um Herói Elemental Homem-Chama Alado disposto a causar em dano os pontos do ataque do monstro destruído. Aconselho que ative as animações ao menos nos eventos, se não vai perder muita coisa legal de se ver.

Por outro lado, um problema que não é gráfico mas pode atrapalhar um pouco a experiência é o tamanho da tela do PSP: as cartas ficam um pouco pequenas demais, como eu já falei, e as toneladas de texto que precisam ser lidas pra entender o funcionamento das cartas podem acabar ficando inacessíveis aos portadores de problemas de vista. Uma alternativa seria a versão de PS2, onde você pode jogar no “conforto” de uma imensa T.V. de tubo com resolução de 480i ...

O melhor lugar do jogo, fácil.

Ai, lá vem o Shadow, a putinha sem critério, dar nota máxima pro som de um jogo de novo...” Dessa vez o senhor está duplamente errado, seu Troll da internet: eu não dei nota máxima e eu tenho senso de julgamento sim. O problema é que, antes de decidir atribuir a nota a esse aspecto do game, o mesmo me desafiou a um duelo e as condições eram as seguintes: se eu ganhasse, daria a nota que eu bem quisesse. Se eu perdesse, teria que dar uma nota próxima do máximo pra esse quesito. Enfim, desnecessário dizer o resultado dessa batalha, não é?



Falando sério agora (e deixando de lado o jeito Yu-Gi-Oh! de resolução de conflitos por um instante): o som é excelente em todos os aspectos, desde os mais insignificantes barulhinhos (como o de colocar cartas no campo ou fazer fusão) até o tema de batalha comum, que vai embalar partidas longas e desafiadoras durantes dezenas de minutos. Um destaque também são as faixas adaptáveis, que tocam de acordo com a situação do duelo (como a empolgante You Are Losing, que começa sempre que alguém está prestes a ter o traseiro chutado pra valer).



Não é exagero dizer que eu passei literalmente anos pra criar coragem e jogar outros Yu-Gi-Oh!s (como no caso do 5D’s) pelo simples fato deles serem diferentes, musicalmente falando, do GX. A faixa da Loja de Cartas, por exemplo, vai grudar na sua mente como um Adhesive Explosive cerebral, te dando a certeza de que você poderia ouvi-la durante horas sem enjoar. O mesmo vale para o tema de batalhas comuns, o Duel, que consegue embalar centenas de horas de duelo sem fraquejar.


SISTEMA (9,0)


Depois das histórias que eu contei, fica mais fácil pra você se colocar no lugar de um fã doente da franquia como eu. Imagina a situação: você acorda de manhã e fica esperando passar o mais novo episódio do anime na T.V. Globinho. Nele, você vê Yugi, Joey e o resto da cambada fazendo combos super legais e ativando efeitos que não fazem lógica nenhuma! Ou seja, mais um dia comum pra um espectador de Yu-Gi-Oh! Duel Monsters.

Aí você desliga a televisão, vai pro Psone (ou PC, no meu caso) e se depara com um jogo bastante simplório onde nada parece seguir o mar de possibilidades que você vê no anime. Fácil deduzir que a decepção domina seu humor numa hora dessas, não é mesmo? Sendo assim, não fica difícil imaginar a alegria que um jogo como o GX trouxe à minha vidinha gamer quando eu o descobri.

Mas, apesar de toda a minha baixa poesia e paixão pela série, é preciso dar um importante aviso: vá se acostumando com o pior que o sistema complexo do game tem pra arremessar contra você, pois a dificuldade da franquia como um todo, não só neste jogo, é bastante alta, em alguns momentos beirando a injustiça.

Zane, um dos duelistas mais difíceis do jogo inteiro.

O primeiro adversário, o loirinho que fica na porta do seu quarto e usa monstros de água, é tão (ou mais) difícil quanto o último chefe, Kagemaru. Não se deixe enganar pelas fotinhos diferentes dos personagens que encontrar: por trás de todos eles, dessa aparente variedade de oponentes, há um mesmo jogador onisciente, apelão e calculista que conhece todas as regras (AKA: CPU) e vai chutar seu traseiro da forma mais eficiente possível. A única coisa que muda é a intensidade da apelação, devido a variantes de baralhos.

Alguns oponentes, como a Jewels do Obelisco Azul, simplesmente compilam TODAS as cartas mais agressivas e desonestas do jogo inteiro, algo bem frustrante que torna a tarefa de vencê-la quase impossível. Sobre esse problema, acho que devia ter um limite de alguns tipos de carta que você poderia colocar no seu deck, como acontece com o Duelists of the Rose. Mas acho que isso resultaria no dilema de matar a liberdade dos arquétipos, um dos pilares que torna essa série tão legal.

Subestimar seu oponente pela aparência: o pior erro que você pode cometer nesse jogo.

Falando em arquétipos, você sabe o que são eles? Então, lembra no Forbidden Memories, quando você ia adicionando cartas ao seu deck até ele virar um Franquenstein apelativo lotado das cartas mais poderosas e convenientes possíveis (com foco no ataque e na defesa)? Aqui isso ainda é possível, mas a graça mesmo do sistema reside nos Arquétipos, ou seja, temas de como você pode construir seu baralho. Lembra do exemplo do loirinho com cartas de água? Então, é disso que se trata um arquétipo, uma estratégia feita para maximizar e tornar viável o uso de um baralho com um tipo de cartas específico.

O legal é que os arquétipos não precisam estar relacionados apenas com o tipo ou atributo das cartas de monstro. Você pode montar um arquétipo baseado numa ideia, como a ideia de ferrar a vida do seu oponente não deixando que ele coloque monstros em campo (LOL), ou drenando seus pontos de vida antes que ele consiga te atacar. Jogando o GX você vai se deparar com decks e estratégias que nunca imaginava serem possíveis de se utilizar, acredite.

Há um arquétipo pra qualquer coisa que sua imaginação puder criar.

Entretanto, um grande problema com os arquétipos é que não há muita hierarquia nos oponentes encontrado no jogo. Um calouro do Slifer Red (o ranque mais baixo da academia) pode apelar tanto quanto (ou até mais) um estudante do Obelisco Azul (o que não faz muito sentido, visto que são níveis de graduação diferentes).

Muito embora que uns poucos gatos pingados usem arquétipos que beiram a inocência (como o carinha que joga com cartas de cogumelo?!?), a grande maioria vai se utilizar das estratégias mais insidiosas e revoltantes para vencer, te obrigando a criar decks personalizados apenas pra derrotar um oponente em especial (como no caso dos malditos irmãos do Chazz).

Um dos grandes diferenciais da franquia GX é a loja de cartas, um lugar super legal onde você vai querer passar boa parte do jogo (seja torcendo pra que venha aquela carta que você precisa em um dos pacotinhos espalhados nos 48 decks existentes, seja duelando com os frequentadores só pra acumular Pontos de Duelo).

Chazz começa o jogo sendo um pé no saco arrogante... e termina do mesmo jeito.

É verdade que alguns decks ficam indisponíveis baseados nos dias da semana, ou por outros critérios que não fazem lá muito sentido (tem um que só é liberado com o Konami Code!), mas o simples ato de simular a abertura dos boosters (os pacotinhos da vida real que contêm as cartas) já é motivo suficiente pra conquistar o mais exigente dos fãs da franquia.

Falando em sistema de jogo, faz-se necessário tratar um pouco a respeito da campanha. Ela é dividida em três fases principais, que podem ser acessadas individualmente uma vez que você termine o jogo. Na primeira você deve preencher oito corações de amizade com um dos duelistas disponíveis (por meio de duelos, sanduíches ou conversa fiada) para lutar em dupla no campeonato vindouro.

Confesso que na primeira vez que joguei, no PS2, eu passei batido por esse objetivo pelo simples fato de que o jogo não se preocupa muito em deixar claro o que você precisa fazer pra avançar. E ter que encher a barriga do seu futuro parceiro com sanduíches é uma tarefa bem penosa, visto que se você não adivinhar o tipo certo de comida que ele gosta num sorteio randômico (tem sanduíche de uva, ovo frito e até de miojo, pode acreditar!), precisará dominar a arte da captura do Sanduíche do Ovo de Ouro.

A alegria de pegar esse item é indescritível!

Esse petisco dos sonhos preenche um coração inteiro automaticamente de QUALQUER parceiro que você presentear. Ainda durante essa primeira fase, cabe o aviso de que eu descobri um bug com relação a esse sanduíche: às vezes o jogo não registra que você deu o item, então salve sempre antes de entregar a alguém.

Na segunda fase é preciso coletar medalhas (num total de noventa) pra entrar na Torre de Duelo. Como os duelos são do tipo Tag (em dupla), cada dupla de adversários pode apostar uma quantidade diferente de medalhas que, segundo o diretor da Academia de Duelo, vai determinar a dificuldade das partidas (dica: coloque o máximo de medalhas possível, pois a dificuldade será altíssima de todo jeito).

Essa fase eu achei particularmente divertida, pois não temos que nos preocupar em dar draw num maldito sanduíche de ouro oito vezes, bastando apenas fazer o que mais gostamos de fazer nos jogos: duelar e chutar o traseiro de todos que cruzem nosso caminho (eu sou tão maníaco que sempre que jogo derroto TODAS as duplas, mesmo depois de já ter conseguido a quantidade exigida). Além disso, a passagem dos dias desaparece, tornando essa parte da campanha principal bem leve e menos morosa que a primeira.

O gato Pharaoh é um Shadow Rider. Eu tenho como provar!

Por último, será preciso derrotar os sete Shadow Riders espalhados no mapa. É bom saber que alguns deles estão bem escondidos de forma que, se você joga sem guias, pode ter um pouquinho de trabalho pra encontrá-los (sim, Camula, é de você que estou falando). Alguns desses duelos serão bem difíceis, mesmo em dupla, principalmente levando em conta que os Cavaleiros da Sombras sempre escolhem como parceiros estudantes do Obelisco Azul pra ajudá-los.

Também tem uma pegadinha antes de enfrentar o último chefe, o halterofilista Kagemaru: depois de derrotar o último Shadow Rider, o jogo te obriga a enfrentar mais duas batalhas (a do velho Kagemaru e a do Kagemaru Gogo Boy) sem poder salvar, sendo que na última você nem mesmo pode editar seu deck caso perca (e acredite, mesmo com um deck câncer de retornar e destruir monstros como o meu, você vai perder ao menos uma vez pro velhote.

O Jinzo é foda até com gráficos medíocres

Ao menos, ao terminar o jogo, você ganha três cartas super legais de Feras Sagradas, aquelas mesmas que fazem cosplay do Dragão Alado de Rá, do Obelisco e do Slifer (Konami, contrate novos designers de cartas com urgência, pois parece que a criatividade aqui já tinha ido pro saco). E encontrar essas cartas e colocá-las em seu deck vai ser moleza, visto que o game conta com uma ferramenta de busca maravilhosa e super completa, que infelizmente não foi aproveitada nos jogos mais novos (como o Legacy of the Duelist).

Ainda sobre os duelos em dupla de forma geral (que podem acontecer aos domingos, na Fase 1, ou durante toda a Fase 2 e 3) a I.A do jogo resolve bancar a estúpida com seu parceiro (no caso, VOCÊ) e sabotar as partidas. Mesmo com cartas que poderiam salvar a jogada (como a Sakuretsu Armor), seu ajudante decide fazer absolutamente NADA e olhar os pontos de vida compartilhados pelos dois indo por água abaixo. Parece que tudo em Yu-Gi-Oh! GX está contra você, até o parceiro que foi cevado na base de sanduíche de ovo de ouro e que tem a obrigação de te ajudar.


EU COLOCO UMA CARTA VIRADA PRA BAIXO E ENCERRO MEU TURNO...


Yu-Gi-Oh! GX é a epítome do que deve ser um jogo com as limitações técnicas de um portátil: é extremamente divertido e extenso (mesmo que sua grandeza não resida na quantidade de bytes gravados no UMD), apesar de seu tamanho geográfico diminuto (há poucas telas para se explorar no mapa quando comparado até a outros games do PSP). Mas a maestria desse jogo não se encontra lá fora, no mapa-múndi, e sim no interior dos discos de duelos no braço de cada NPC ávido a varrer o chão com a sua cara.

NOTA FINAL: 8,8

É um jogo excelente, que representa a empolgação de um mundo utópico onde o maior problema que a humanidade enfrenta é achar um oponente desafiador pra duelar, com alta fidelidade ao card game da vida real (salvo algumas regras, claro) e um fator replay beirando os pontos de ataque do Exodia.

Yu-Gi-Oh! GX é feio em sua interface e pequeno em espaço de disco, mas é competente no que realmente importa num jogo desse gênero: variedade de cartas absurda, fidelidade ao card game que o inspirou (por isso a nota 9,0 aos gráficos, mesmos esses sendo medíocres) e quantidade de estratégias e estilos de jogos disponíveis ao jogador.

Àqueles que gostaram do texto, é só ter paciência que um dia eu escrevo sobre o dois.

Por tudo que você leu ao longo do post, deve ter percebido qual é a de Yu-Gi-Oh! GX: um jogo muito bom sim, mas que deve ser jogador com parcimônia, principalmente pelos novatos. Isso se você quiser conservar seu juízo e evitar o risco de arremessar seu PSP na parede (acredite, o sorriso cínico de alguns personagens e sua malícia ao duelar vão despertar esse lado negro em você).

Mas, se você é fã dos animes (meus pêsames aos seus e aos meus neurônios) e quer encenar as peripécias de Yugi, Seto Kaiba, Jaden e cia., esse é o jogo pelo qual você tanto esperou. E com esse texto eu estreio a franquia aqui no blog, com a promessa de muitos outros conteúdos relacionados no futuro.

Au Revoir.

Um comentário:

SE FOR SPAM, DESISTA. NÃO PASSARÁ PELA MODERAÇÃO.